Montagem - Gabigol e Love


Gabigol fez jus ao apelido no Maracanã, enquanto Vagner Love (no detalhe) ‘vira’ santo na Arena Corinthians (Fotos: Alexandre Vidal/Flamengo; Eduardo Carmim/PhotoPremium)

Aurino Leite
15/07/2019
07:15
Rio de Janeiro

Paremos com os trocadilhos? Em se tratando de povo brasileiro, é sempre interessante brincar com certas situações. Não tem como fugir à regra e não adianta “brigar” contra a tradição. Brasileiro por si só é sacana. Não vou dizer que Jesus fez milagre no Maracanã ou que Love incorporou o padroeiro do Corinthians, São Jorge, na Arena. Mas pensando bem, não deixa de ser um pouco verdade.

Com o elenco que tem nas mãos, Jorge Jesus não poderia cometer o mesmo erro que Abel Braga e deixar Arrascaeta no banco. O meia-atacante foi, na verdade, um “arrescapetado”, um “arrascagol” (fazendo trocadilho com o apelido de Gabriel Barbosa). O cara deitou e rolou no Maracanã, e deixou o Goiás atordoado.

Passemos para Gabriel Barbosa, o Gabigol, que, novamente, fez jus ao apelido. Porém, ele seria “Deus” na Nação rubro-negra se aproveitasse metade das chances que têm nos jogos. É cada gol que ele perde. Ontem, no entanto, para a torcida, pouco importou. Ele fez dois e pulou para nove na briga pela artilharia do Brasileirão.

Chega de Flamengo, embora a visão da rodada merecesse toda ela em cima do Rubro-Negro. Mas quero falar também de Botafogo, Palmeiras, São Paulo, Santos, Fluminense (que joga hoje), Vasco e Corinthians.

Cruzeiro x Botafogo: que joguinho ruim. Foi tão ruim, tão ruim, que o ruim é propositalmente redundante. Nem um cartão foi aplicado (amarelo ou vermelho). O Fogão não botou lenha na partida, mas um pontinho fora de casa foi muito importante.

Corinthians x CSA: O Timão não teve a melhor das atuações. Deu para o gasto. Podia ter sido mais intenso, pois pegou o penúltimo colocado da competição. Um golzinho salvador de Love, o “São Love”, como estampa a capa do LANCE! na edição desta segunda-feira de São Paulo.

Palmeiras e Santos que abram o olho, líder e vice-líder, respectivamente, porque o Flamengo de Jorge Jesus está seguindo bem o caminho das pedras. E o São Paulo vai ter que quebrar a cuca para melhorar. E muito! 

E Vasco e Fluminense? A preocupação número 1 deve ser fugir do fantasma do rebaixamento para a Série B. Os dois times conhecem bem essa assombração. Pelo menos, tanto Luxemburgo quanto os torcedores vascaínos são realistas e sabem que a meta do momento é escapar do descenso.

Já os tricolores precisam descer um degrau na escada e admitir, que, no Brasileirão, neste primeiro momento, não briga pelo título. Sejamos sensatos. Já na Copa Sul-Americana, pode sonhar. E até sonhar alto, sonhar com o título. Mas aqui na questão nacional, o sonho é para não virar pesadelo. Então, alerta ligado! Nesta segunda-feira, um confronto direto contra o Ceará. Haja emoção!