João Vítor Castanheira
24/04/2019
21:19
Rio de Janeiro (RJ)

No baile de debutante em São Januário, o Vasco venceu em um jogo de tirar o fôlego e saiu aplaudido, mas o Santos foi quem mais sorriu. Raul e Ricardo Graça pelo lado cruz-maltino e Jorge, pelo time da baixada santista, marcaram pela primeira vez por seus clubes e deram os números finais à vitória por 2 a 1 do Gigante da Colina, nesta quarta-feira. Após ter vencido por 2 a 0 no jogo de ida, o Peixe é quem avança às oitavas de final da Copa do Brasil. 

O time de Jorge Sampaoli aguarda sorteio para saber quem enfrenta na sequência da competição. No Campeonato Brasileiro, o Santos estreia no horário matinal de domingo, às 11h, diante do Grêmio, em Porto Alegre. Também fora de casa, o Vasco enfrenta o Athletico-PR, às 16h. 

Futsal na colina?
Logo aos 12 minutos, o time de Marcos Valadares lembrou o futsal cruz-maltino do início dos anos 2000, de Schumacher, Manoel Tobias e cia. Lucas Santos pressionou Aguilar na saída de bola e o zagueiro deu o presente para Lucas Mineiro. Com um belo passe na ‘referência’, o volante achou Maxi López, que como um pivô do antigo futebol de salão, dando apenas um toque na bola, rolou para trás e deixou Raul livre na entrada da área para marcar seu primeiro gol com a camisa do Vasco.

Um acerto ali, um erro aqui
O Vasco foi quem abriu o placar, mas o Santos não jogava mal. Ao seu estilo, com seus laterais atuando por dentro, o Peixe dominava o meio-campo e foi o primeiro a levar perigo. Aos oito minutos, Jean Mota já havia acertado o travessão num chute despretensioso de fora da área. Após o gol vascaíno, o time de Sampaoli teve chances para empatar com Rodrygo e Alison. Mas na mesma proporção que pressionava no ataque, a equipe paulista errava atrás. Aproveitando os erros da zaga santista, o Cruz-Maltino recuperou bolas no campo ofensivo, abusou das jogada aéreas e levou perigo com Raul - de novo.

Baile de debutante!
A insegurança da defesa do Santos ficou mais latente no fim da primeira etapa e o Vasco, mesmo sofrendo com as lesões de Castan e Fernando Miguel, aproveitou. Numa das várias bolas alçadas na procura de Maxi López e Marrony, o time da colina conseguiu um escanteio. Danilo Barcelos cobrou na segunda trave, Everson ficou indeciso, e Ricardo Graça, cabeceando para o chão, foi o segundo da noite a debutar marcando com a camisa do Vasco. 

Balde de água fria
A noite em São Januário estava mesmo propícia para 'primeiros gols'. Logo aos oito minutos da etapa final, Soteldo, que havia acabado de entrar, fez a jogada pela esquerda e cruzou. A bola rebatida pela zaga vascaína sobrou para o recém-chegado Jorge. Da entrada da área, o jogador revelado no Flamengo pegou 'na veia', acertou um lindo chute no ângulo do estreante Alexander e foi mais um que debutou marcando com a camisa de seu novo clube - esfriando a virada cruz-maltina. 

Coisa de maluco!
Os minutos finais do clássico nacional foi jogado no puro coração. O Vasco partiu com desespero para o ataque e o Santos, em contra-ataques, desperdiçou uma chance atrás de outra para matar o jogo. Nos acréscimos, ainda mais emoção: Ricardo Graça marcou de cabeça, fez explodir São Januário, mas estava impedido. No último lance do jogo, Maxi López saiu na cara do gol após o erro de Gustavo Henrique, mas cavou para fora a classificação vascaína. 

FICHA TÉCNICA
VASCO 2 X 1 SANTOS

Data/Hora: 24/04/2019, às 19h15 (de Brasília)
Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Rafael Traci (SC) - 5,5 - Poderia ter segurado o apito na boca um pouco mais. Parou muito o jogo.
Auxiliares: Helton Nunes (SC) e Henrique Neu Ribeiro (SC)
Público/renda: 8.859 / R$ 181.098,00
Cartão amarelo: Lucas Mineiro e Cáceres (VAS); Soteldo, Yuri Lima e Alison (SAN)
Gramado: Bom

Gols: Raul 12'/1ºT (1-0), Ricardo Graça 38'/2ºT (2-0), Jorge 8'/2ºT (2-1)

VASCO: Fernando Miguel (Alexander, 24'/1ºT); Cáceres (Yan Sasse, 38'/2ºT), Werley, Leandro Castán (Ricardo Graça, 10'/1ºT) e Danilo Barcelos; Raul, Lucas Mineiro, Lucas Santos e Yago Pikachu; Marrony e Maxi López. Técnico: Marcos Valadares.

SANTOS: Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Alison (Soteldo - Intervalo), Diego Pituca, Carlos Sánchez (Jean Lucas, 23'/2ºT) e Jean Mota (Yuri Lima, 42'/2ºT); Rodrygo e Derlis González. Técnico: Jorge Sampaoli.