Santa Cruz x Náutico

Foto: Rafael Melo/Santa Cruz

Futebol Latino
29/07/2020
23:52
Recife (PE)

Depois de passar três edições do estadual sem chegar a decisão, o Santa Cruz voltará a sentir esse sabor no ano de 2020. Diante do Náutico em semifinal disputada na Arena Pernambuco, a Cobra Coral empatou sem gols no tempo regulamentar para avançar nas penalidades em uma série que honrou a alcunha "Clássico das Emoções" dado ao confronto de Recife.

SE FECHOU E "ESTOCOU"

O time do Santa Cruz era o time que claramente se propunha a ter a bola em seus pés e ser o constante construtor de jogadas ofensivas, algo naturalmente refletido pelo bom momento vivido pela equipe. Todavia, parando no sistema de marcação bem posicionado do Náutico, a Cobra Coral não viu apenas o gol de Jefferson ser pouco ameaçado na primeira metade da etapa inicial como também o Timbu ser a equipe que chegou com maior perigo nesse intervalo de tempo.

Aos 19 minutos, uma jogada bem construída pelo lado esquerdo do campo resultou em bola levantada com precisão para Jorge Henrique, livre de marcação, testar no contrapé de Maycon Cleiton. O arqueiro do Santa sequer se mexeu e viu a bola passar muito perto da sua trave direita.

ATAQUE COM RESPOSTA

Em meio as dificuldades que encontrava, o Santa Cruz usou da pressão na saída de bola do Náutico para quase abrir a conta quando Didira, de fora da área, viu a bola cair em seus pés e bateu forte para acertar a trave esquerda de um Jefferson já batido na finalização.

Na base do contra-ataque, o time dos Aflitos deu sua resposta quando Kieza chutou em cima da zaga onde, no rebote, o jovem Thiago bateu com efeito de pé esquerdo e a bola raspou novamente a trave direita de Maycon Cleiton.

AÇÕES EQUILIBRADAS

Diferente do que ocorreu nos 45 minutos iniciais, a posse de bola dos comandados de Itamar Schulle não foi tão extravagante a ponto de delinear um domínio territorial claro do Santa, pelo contrário. Conseguindo reter por mais tempo em seu domínio, o Timbu passou também a ser mais preocupado em construções mais cadenciadas de jogadas e não apenas priorizar a velocidade dos contra-ataques, algo que deu resultado quando Jhonnatan invadiu a grande área adversária e bateu na rede pelo lado de fora.

Ainda com problemas para se infiltrar na defensiva adversária, o Tricolor do Arruda chegou a balançar as redes usando a bola aérea no toque de Willian Alves. Mas a arbitragem viu bem que, na verdade, o lateral-esquerdo mandou pras redes de Jefferson usando o braço esquerdo, imediatamente anulando o tento.

BRILHA, JEFFERSON!

Aos 24 minutos, uma grande oportunidade para o Santa Cruz se apresentou quando o chute forte de fora da área dado por Jeremias e o zagueiro Carlão tocou com a mão dentro da área, penalidade marcada pela arbitragem. O artilheiro do Santa na competição, Pipico, assumiu a responsabilidade, mas, com uma batida fraca, o goleiro Jefferson caiu certo e conseguiu defender a batida do camisa 9 adversário.

SANTA FINAL!

Com a igualdade sem gols no tempo normal, a primeira vaga na final do Pernambucano foi definida nas penalidades. E, depois de passar por três decisões de pênaltis sem defender uma cobrança, o arqueiro Maycon Félix parou as batidas de Thiago e Djavan, sendo determinante para o avanço da equipe do Arruda a instância que não chegava desde 2016.