Sandro Rosell

O advogado de Rosell alegava que a prisão preventiva prejudicava sua defesa (Foto: AFP)

LANCE!
27/02/2019
09:27
Barcelona (ESP)

O tribunal espanhol concedeu, nesta quarta-feira, liberdade condicional, sem fiança, para o ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell, acusado de lavagem de dinheiro, apenas com dois dias de julgamento. Com isso, o dirigente vai poder responder em liberdade até o fim do julgamento, previsto para o fim de março (27/03).

- Reexaminada a situação dos acusados e levando em consideração que se passaram 21 meses da prisão preventiva e que está próximo o seu máximo legal, a liberdade é acordada sem fiança e sob medidas cautelares - alega o tribunal

A maior da Espanha
Foram 21 meses (643 dias) de prisão preventiva, o que torna essa a maior prisão preventiva por um delito econômico da história da Espanha. Rosell solicitou em dez ocasiões a liberdade provisória e chegou a oferecer 35 milhões de euros para pagar a fiança. Tudo tinha sido negado.

Condições
Rosell e seu sócio, também acusado, Joan Besolí vão para a prisão de Soto del Real para pegar seus pertences quando a acabar a sessão desta quarta. Vão deixar seus passaportes e apontar um endereço e um telefone em que possam ser localizados até o fim do julgamento.

O envolvimento da CBF
Rosell é acusado de ter recebido uma quantia irregular de dinheiro durante o intermédio de contratos feitos com a Nike e a CBF, em 2008, para o direito da retransmissão de 24 amistosos da Seleção Brasileira. Dos 6,5 milhões de euros (R$ 28,2 milhões) recebidos, o dirigente ocultou 5 milhões. O Ministério Público da Espanha também acusa Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, de também ter recebido comissões ilegais.