Vinícius Jr. - Real Madrid

Vinícius Júnior já tem moral no Real Madrid (Foto: OSCAR DEL POZO / AFP)

LANCE!
23/05/2020
15:21
Madrid (ESP)

Vinícius Júnior completa três anos no Real Madrid. Em entrevista ao 'MARCA', o brasileiro revelou que os merengues querem ganhar esta edição da La Liga para dedicar aos torcedores.

- Queremos ganhar esta liga para nossos fãs. As pessoas sofreram muito e queremos alegrar os torcedores do Madri em meio a essa situação. Sabemos que uma vitória na Liga não resolverá grandes tragédias, mas seria um sorriso, alguma felicidade.

O atacante também revelou como está fazendo para permanecer em casa e cumprir a quarentena.

- No começo, tudo era muito estranho, foi um golpe pessoal e para minha família. Não saia de manhã para treinar, reunir-se, viajar ou jogar futebol ... Logo entendemos a seriedade da situação. Felizmente, os serviços médicos do clube foram muito rápidos em nos notificar.

Confira a entrevista completa de Vinícius Jr.

Você conseguiu treinar regularmente?
- Isto não foi um problema. Estranho, sim, mas não foi um problema. Desde o primeiro momento, o treinador e a equipe técnica estavam muito próximos de nós, tanto individualmente quanto em sessões especiais em grupo. Era algo que não poderei esquecer, embora todos desejemos poder esquecê-lo. Percebemos que estávamos vivendo um momento muito especial da história. Porque o que está acontecendo é realmente incrível. Muitas pessoas sofreram e continuam sofrendo em todo o mundo, e na Espanha, assim como no meu país, há muita tristeza.

O que mais você perdeu?
- Você nunca perde as pequenas coisas até perdê-las. Ser capaz de dar um passeio pela rua, sair para o cinema. No meu caso profissional, a vida muda absolutamente você. O caminho para Valdebebas, entre em contato com os colegas, recebendo instruções da equipe técnica, treinamentos diários e recuperações à tarde... E, claro, os jogos e o barulho dos torcedores. Um fica sem tudo isso de uma vez, de um dia para o outro e é muito raro.

Você ficou preocupado com a situação que estamos enfrentando?
- Muitíssimo. Porque, além disso, ele ouviu explicações muito diferentes. Alguns disseram que era pouco e outros que era muito sério. Acho que todos nós aprendemos algo com toda essa catástrofe: dar mais valor às pessoas e coisas simples. Nas primeiras semanas, as notícias foram terríveis por causa do número de mortos. Terrível. A verdade é que eu me coloco no lugar de todas as famílias que perderam alguém que amam e isso teve que ser muito difícil, não apenas por causa da perda, mas por causa do caminho que deixaram. Se eu tiver que resumir de alguma forma, meu sentimento é desamparo.

As notícias vindas do Brasil não são positivas...
- Eles também são terríveis. No meu país, eles estão passando por um momento muito ruim, como há algumas semanas aqui na Espanha. Sofri muito pela Espanha e agora sofro muito pelo Brasil. As pessoas têm muito medo, é lógico.

Você já pensou que a temporada ia acabar?
- Houve momentos em que a crise foi enorme e o número de mortos foi tão alto que ele pensou que era impossível recuperar o futebol ou qualquer outra coisa em poucos meses. Mas com o tempo começamos a ver a luz. Eu imagino que foi o que aconteceu com todas as pessoas. Agora estou convencido de que seremos capazes de recuperar as coisas pouco a pouco. Uma dessas coisas é o futebol.

E no futebol, o que tem que melhorar?
- Tenho certeza, e ouvi o senhor dizer isso algumas vezes, que ele aprendeu coisas até o último treino de sua carreira. Eu tenho o mesmo sentimento. Estou certo de que tudo sempre pode ser melhorado. E o que eu quero é que todos os dias que eu saia de Valdebebas seja um pouco melhor em algo do que quando cheguei naquele dia.

O começo do clube foi muito difícil para você? Sua adaptação? Seu tempo fugaz em Castilla?
- Todas as mudanças são importantes, e uma mudança como essa foi enorme para mim e meu ambiente. Meu mundo inteiro mudou absolutamente e as pessoas queriam ver um grande jogador imediatamente, um garoto que não deveria ser afetado por nada. Mas eu sabia que todas as grandes mudanças precisam de grandes sacrifícios. Eu estava preparado para isso, trabalhar em silêncio, me sacrificar sem ver os grandes resultados imediatamente. Era muito importante ter uma mente calma.

O que resta daquele garoto do Flamengo que hoje tem três anos quando sua transferência para o Real Madrid se tornou oficial?
- Minhas raízes permanecem, minhas memórias, meu povo com quem eu cresci. Mas trouxe para a Espanha o mesmo entusiasmo pelo futebol e a mesma fé em mim. Cresci sonhando com futebol e hoje continuo sonhando com futebol. Minha paixão não mudou. Essa paixão me fez muito forte em um mundo difícil; ainda é novo, intacto e isso me faz sentir muito forte.

Seu tempo em Castilla foi rápido, ele deixou coisas muito boas e logo ele subiu para o primeiro time, ainda mais pressão?
- Quando você fala sobre as virtudes de um jogador, fala sobre como ele joga, mas ele sempre se esquece de um fator muito importante que pode mudar uma carreira, torná-la um sucesso ou um fracasso. A contratação do melhor clube do mundo tem o que tem: você não só precisa ser bom, mas também todos os dias e cercado pelos melhores do mundo. Ou você aceita ou não chega a lugar nenhum.

Falou-se de fazer gols. Isso te incomodou?
- Isso não me incomodou, é claro que não. Sou o primeiro a saber que tudo pode ser melhorado. Para sempre. Até o último dia da minha carreira. E então eu quero continuar toda a minha vida! Sempre convencido de que tenho que melhorar.  Eu sou o primeiro nisso. No dia em que não acredito nisso, terei que deixar o futebol profissional. Porque me tornei um profissional de futebol por isso, respeitando minha profissão. Acreditar que não preciso mais melhorar algo é desrespeitar minha profissão. E eu já lhe digo que isso nunca vai acontecer comigo. Eu tenho que melhorar até o último dia da minha carreira.

O intervalo chegou no seu melhor momento da temporada ...
- Eu me senti muito apegado e notei que muitas das coisas que tentei na grama saíam com alguma facilidade. Ele estava conseguindo um bom equilíbrio entre o que estava tentando e o que estava recebendo.

Você já teve dúvidas quando não estava jogando?
- Não tive dúvidas. Todos nós que treinamos pensamos que merecemos um lugar. A posição do treinador é muito complicada. Posso culpar a má sorte, outras coisas, mas sou muito exigente comigo mesma. Quando não jogo, acho que tenho um dia a menos para trabalhar e mostrar que tenho um lugar. Isso é respeitar o futebol.

Quantas vezes você já viu o gol contra o Barcelona?
- Foi um gol muito bom, um passe muito bom de Toni (Kroos). Eu já vi isso algumas vezes, é claro, porque é uma vitória para nossos fãs que foi muito importante. Nós realmente queríamos fazer algo assim.

Você acha que o Real Madrid foi melhor que o Barcelona nos dois jogos da liga?
- Eu vi os jogos novamente e ainda acho que sim. Eu acho que éramos melhores que eles em mais coisas. Até agora fizemos jogos muito bons e temos que recuperar nossos melhores sentimentos. Nós realmente queremos voltar, vencer. E queremos ganhar esta liga para nossos fãs. As pessoas sofreram muito e queremos alegrar os torcedores do Madri em meio a essa situação. Sabemos que uma vitória na Liga não resolverá grandes tragédias, mas seria um sorriso, alguma felicidade.

Onze jogos, onze finais e com um futebol totalmente diferente ...
- O resultado contra o Betis foi uma grande penalidade. Agora temos diante de nós a missão de não falhar. Não podemos falhar e não vamos falhar.

Você tem que começar do topo, está pronto?
- Cara, é verdade que só se passaram 11 dias desde que voltamos, mas o ritmo de todos parece bom. Ainda temos muito trabalho em grupo, porque ainda não o podemos fazer, mas estou vendo todos os meus colegas muito fortes e muito bem. Ainda há muito trabalho a fazer, mas as sensações são muito boas.

E sobre a Liga dos Campeões...
- Se a Liga dos Campeões voltar, será uma ótima notícia, não apenas para o futebol, mas para o mundo. Ser capaz de jogar partidas em outros países será um sinal muito positivo, porque estaremos mais perto do que o normal. É verdade que o resultado da primeira mão foi ruim, mas somos o Real Madrid. Nossa obrigação é se preparar bem e, se esse jogo chegar, que, quando terminar, todos os torcedores do Madrid possam dizer: deram tudo, estamos orgulhosos.