Milinko Pantic marcou muitos de falta pelo Atlético de Madrid (Foto: Reprodução)

Milinko Pantic marcou muitos de falta pelo Atlético de Madrid (Foto: Reprodução)

Milinko Pantic
25/05/2021
15:02
LANCE!/LaLiga

“Que maneira de sofrer”, como diz a música. E que jeito de vencer! O Atlético merece ser o campeão da LaLiga Santander 2020/2021. Poucos teriam apostado nos Colchoneros no início da temporada, mas este ‘time’ - poucos representam essa palavra como eles - tem sido o melhor da liga nesta campanha. Com Jan Oblak, estatisticamente o melhor goleiro da LaLiga em quatro das últimas cinco temporadas, no gol, a solidez defensiva de Stefan Savic, o meio-campo de Koke, o impressionante Marcos Llorente do outro lado do campo e, acima de tudo, os gols de Luis Suarez. Sem dúvida, a assinatura da temporada na Espanha! Jogador a jogador, o Atleti tem sido incrível. E eles colheram sua justa recompensa: o troféu da LaLiga.

As comemorações ficaram em espera até o apito final. Eles não conseguiram aproveitar um segundo antes de o árbitro finalizar o jogo em Valladolid. Real Madrid, FC Barcelona e Sevilla FC empurraram-nos até ao fim. Principalmente a equipe Blanca. Mas o Atleti resistiu à pressão no topo ao longo de uma atípica temporada da LaLiga Santander, que ficará para a história como uma das campanhas mais emocionantes e disputadas nos últimos tempos. O último gol de Suarez contra o Osasuna, a recuperação dramática em Valladolid no último dia, grandes penalidades defendidas contra Elche e  Alavés, a vitória do Granada no Camp Nou… se esta foi uma liga definida por momentos, o Atleti 'venceu’ todos eles. Em outros anos, eles podem ter ficado aquém. Mas agora não. Agora eles são campeões.

O mérito é de Diego Simeone. O argentino é provavelmente o maior treinador que o Atleti já teve. Ele liderou o clube a mais títulos do que qualquer um antes dele: oito em 10 anos, junto com o maior número de vitórias na história do clube. Mas não só isso, é a maneira como ele transformou o clube, de um time à deriva em um time sólido, dedicado, ambicioso, apaixonado e talentoso.

Uma equipe reconhecida em todo o mundo, mesmo que este ano tenha mudado significativamente seu estilo de jogo e sua identidade de longo prazo em campo. Uma equipe em que não há lugar para nenhum jogador que não dê 110%, seja qual for o seu nome. É uma equipe à imagem do seu treinador, alguém que conheço bem desde os nossos tempos como jogadores. Atleti sempre foi sobre “Coragem e Coração”, como diz o hino do clube. Agora, porém, também se trata de sucesso e vitória. “Vença, vença e vença de novo”, como disse certa vez Luis Aragonés. Hoje é o Atlético de Madrid.

O famoso espírito de luta e sonho de Atleti permanece intacto. É por isso que centenas de torcedores se reuniram nos portões do estádio Jose Zorilla, em Valladolid, para apoiar seus jogadores de fora, assim como fizeram contra o Osasuna na semana anterior. Eles são os melhores fãs do mundo e, com sorte, poderão voltar aos estádios em breve. Este ano também marca 25 anos desde que conquistamos a dobradinha (ou doblete, em espanhol), com as conquistas da LaLiga e da Copa do Rei. Lembro-me de como isso foi especial e vejo como cada título conquistado pelo Atleti continua a ser. Porque no mundo megalomaníaco do futebol de hoje, eles podem nunca ser o clube com mais dinheiro, os jogadores de maior perfil ou as estrelas mais bonitas... mas eles são os melhores. Jogo a jogo, um por vez.