Fernando Sanz

Fernando Sanz, ex-zagueiro do Real, hoje tem 46 anos. Sábado é dia de Barcelona x Real (Foto: Divulgação/La Liga)

Fernando Sanz
21/10/2020
12:15

"O primeiro El Clásico da temporada 2020/2021 na LaLiga está se aproximando. E isso é muito especial, pois é a primeira vez que essas equipes se encontram desde que a pandemia Covid-19 afetou a vida diária na Espanha (e no mundo). Será a primeira vez, também, que não haverá torcida nas arquibancadas deste grande jogo, mas acredito que pode haver até mais fãs do que o normal do outro lado da tela. E a mesma paixão de sempre estará presente em campo. Este é o melhor jogo de clubes do futebol mundial e isso não muda, mesmo nestes tempos de “novo normal”.

Veremos o novo projeto empolgante de Ronald Koeman contra Zinedine Zidane, e a brilhante solidez de seu lado. Será Lionel Messi contra Sergio Ramos. Antoine Griezmann vai enfrentar Karim Benzema. O futuro do futebol mundial estará reunido, com Ansu Fati, Trincão, Vini Jr e Rodrygo. Estes são os dois clubes de futebol mais valiosos do mundo (de acordo com rankings recentes publicados por Forbes e Brand Finance) e os dois clubes com mais seguidores, enfrentando-se cara a cara. Não há outra partida, liga ou show como esse no mundo. Nenhum outro jogo pode reunir tantas estrelas como El Clásico.

Eu sei tudo sobre isso em primeira mão. Muito antes de a La Liga fazer do El Clásico o fenômeno global e espetáculo audiovisual que é hoje, com 650 milhões de telespectadores ao redor do mundo. A rivalidade que existe entre Real Madrid e Barcelona já faz isso há anos. Lembro-me de ir com os meus irmãos e o meu pai assistir aos clássicos no estádio Santiago Bernabéu, quando era criança. Já eram partidas tremendamente emocionantes naquela época, com paixão em campo e nervosismo nas arquibancadas. Sou sócio do Real há 40 anos, mas é impossível se cansar ou enjoar do El Clásico.

É uma partida que sempre vale a pena esperar. Ganhando ou perdendo, você volta para sua casa com a sensação de estar algumas horas no epicentro do futebol mundial, relembrando as melhores peças do jogo com a adrenalina ainda nas alturas. Eu ficava com a garganta inflamada de tanto me animar e aplaudir, enquanto debatia a tática com meus irmãos e meu pai. Este foi sempre um jogo que durou mais do que 90 minutos. Mais precisamente, duas semanas - os sete dias antes e os sete dias após o apito final.

De todos eles, o El Clásico que foi o mais especial para mim foi o de fevereiro de 1997, no Bernabéu, quando fiz a minha estreia. Fabio Capello me colocou faltando 15 minutos... e que 15 minutos! Ronaldo Nazário, o melhor número 9 do mundo até então, estava contra mim, junto com Luis Figo, Luis Enrique e Pep Guardiola. Ao meu lado, de branco, estiveram jogadores como Roberto Carlos, Fernando Redondo, Clarence Seedorf e Predrag Mijatovic. Apenas nomeando esses jogadores é fácil ver o quão grande o El Clásico foi e ainda é.

Quando você está em campo, você se sente privilegiado. Você está sendo observado por milhões de pessoas e com certeza está sendo invejado por tantas pessoas que adorariam estar lá jogando a partida que você está curtindo naquele momento. A Espanha para por conta do El Clásico, literalmente. É uma combinação que crianças de todo o mundo recriam nos playgrounds, de Sydney a Lima. É mágico. E no meu caso, depois de passar por todas as categorias de base do Real Madrid a ponto de chegar à equipe principal, foi a realização de um sonho. Esse tinha sido o meu sonho quando era eu na arquibancada torcendo por Santillana, Juanito e a famosa geração ‘Quinta del Buitre’. Então, de repente, o apoio para mim estava vindo dessas mesmas bancadas. Eu tinha 23 anos na época, e não foi fácil adormecer naquela noite após a partida.

No meu caso, jogar no El Clásico significou o culminar do meu progresso como graduado do Real Madrid na academia, e foi um dos melhores momentos da minha carreira. Sei que não sou o único jogador a quem isso acontece, com estrelas de classe mundial optando por ingressar no Real Madrid ou no FC Barcelona, ??em parte por causa da atração de jogar no El Clásico da LaLiga. Você percebe o que significa ser uma estrela do futebol quando joga no El Clásico. Olhando para os sete jogadores geralmente aceitos como os melhores de todos os tempos, este é o único jogo que recebeu seis deles.

Só Pelé nunca experimentou essa sensação de estar no El Clásico, mas Alfredo Di Stéfano, Johan Cruyff, Diego Maradona, Zinedine Zidane, Lionel Messi e Cristiano Ronaldo sim. Há uma razão pela qual é o melhor jogo de clube do mundo. Apesar de não estarmos todos presentes para o jogo deste sábado, a emoção de ver o El Clásico está sempre presente."