Rizek detona dirigentes do Brasil e instabilidade de treinadores: ‘Grande bobagem’

Jornalista não aprovou demissão de Fernando Diniz

image_placeholder-1-aspect-ratio-512-320
Rizek questinou rotatividade de treinadores (Foto: Reprodução/SporTV)

Escrito por

Após a demissão de Fernando Diniz do comando técnico do Fluminense, André Rizek comentou a instabilidade dos treinadores no Brasil. O jornalista questionou os dirigentes dos clubes e até os torcedores, que buscam soluções sempre fora do clube.

➡️Siga o Lance! Fora de Campo no WhatsApp e saiba o que rola fora das 4 linhas

O apresentador apresentou argumentos a favor de trabalhos mais longevos e citou até Klopp, multi-campeão com o Liverpool. Segundo Rizek, o alemão não teria tido a paciêcia que teve na Inglaterra aqui no Brasil. Nesse mesmo contexto, ele citou Tite. O gaúcho foi demitido do Corinthians não muito tempo depois de conquistar a Libertadores e o Mundial.

O jornalista coloca o ponto central de sua fala na crença "quase mística", segundo ele, de que o que vem de fora é sempre melhor. No caso específico de Fernando Diniz no Fluminense, Rizek lamentou a saída e evidenciou que o treinador era querido pelos jogadores e ainda podia achar soluções com mais tempo.

- A demissão do Diniz expõe como no Brasil é uma grande bobagem fazer um contrato longo com um treinador. Faz um mês, em maio, que o clube decidiu renovar o contrato do Diniz. Nem precisava. Ele tinha contrato até o fim desse ano, e o Fluminense, dizendo que queria dar estabilidade, segurança, fazer um trabalho de longo prazo, optou por renovar até o fim de 2025. Não era necessário. E como se viu, não surtiu nenhum efeito. Ele foi demitido ontem.

News do Lance!

Receba boletins diários no seu e-mail para ficar por dentro do que rola no mundo dos esportes e no seu time do coração!

backgroundNewsletter