Fernando Neto

Fernando Neto atuou pelo Fluminense contra o Santos (Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC)

Marcello Neves
28/10/2018
16:37
Rio de Janeiro (RJ) 

Com um Fluminense cheio de reservas contra o Santos, no último sábado, Fernando Neto voltou a ganhar oportunidade após três anos. Foram quase quatro anos de espera, passando por empréstimos e chegando a atuar pelo STK Samorín, filial Tricolor na Eslováquia. De promessa a destaque, o volante comemorou a oportunidade e acredita ter feito um bom trabalho.  

– Procurei dar o meu melhor. Mesmo não indo para os jogos, procurei sempre me esforçar nos treinos. Sabia que uma hora a minha chance ia chegar. Mais pra frente é o Marcelo que vai avaliar. Acho que fiz um bom trabalho. Quero trabalhar para cada vez mais ajudar o Flu – disse Fernando Neto.

Fernando - ainda sem o sobrenome Neto - surgiu no Fluminense junto a geração que foi vice-campeã da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2012. Assim como todos que são promovidos de Xerém, era tratado como uma promessa pela sua versatilidade: começou volante, mas também atuava como meia ou lateral-esquerdo. Subiu aos profissionais junto com a leva de Fabinho, atualmente no Liverpool (ING) e Marcos Júnior, mas só estreou em 2013. 

Foram três jogos no Campeonato Carioca - todos como lateral-esquerdo - e pegou o início da crise que acompanharia o clube durante toda a temporada. Com Carlinhos consolidado, Fabian Monzón contratado e Felipe sendo improvisado na posição, perdeu espaço e começou a ser emprestado. Pelo Paços Ferreira (POR), foi titular em 15 jogos, marcou um gol e só não foi comprado pelo desejo do próprio atleta em voltar ao Tricolor. 

Entretanto, no retorno ao Fluminense, novamente sofreu com o pouco espaço. Realizou apenas quatro jogos no Brasileirão daquele ano e voltou a ser emprestado. Em 2015, no Macaé, uma polêmica: o atleta ficou de fora da derrota para o Ceará, que rebaixou a equipe para a Série C daquele ano, alegando dores no joelho, mas casou no mesmo dia do jogo. Também passou por Vila Nova e Santo André antes de recomeçar a carreira no Samorín. 

Na filial eslovaca, conseguiu reencontrar o seu bom futebol: foram 30 jogos, oito gols marcados, e eleito um dos destaques do torneio que quase levou a equipe para a primeira divisão. Ao lado de Igor Julião, outro que voltou para o clube após passagem na Europa, ficou no aguardo de novas oportunidades. Contra o Santos, chegou o momento de reinício. 

– Acho que é a terceira vez que estou voltando. Aprendi bastante a parte tática na Eslováquia. Lá joguei na mesma posição de hoje (sábado, contra o Santos). Procurei evoluir e a experiência foi muito boa. Voltei em julho com a expectativa de jogar e dei meu melhor em todos os treinos. Acho que nos portamos bem no primeiro tempo, mas o pênalti abalou um pouco a equipe. Agora é pensar na Sul-Americana – frisou.

Treinando há quatro meses no clube sem perspectiva, o jogador entrou em campo na derrota para o Santos. Fernando não está inscrito na Copa Sul-Americana, mas aparece como opção para o final desta temporada. Anteriormente, chegou a ser relacionado, mas não entrou. Após estrear contra o Santos, ganhou uma nova oportunidade.