Frases como "Aqui mora um ladrão", entre outras ofensas foram pichadas no portão de Gilvan

Frases como "Aqui mora um ladrão", entre outras ofensas foram pichadas no portão de Gilvan-(Reprodução)

Valinor Conteúdo
09/10/2020
19:16
Belo Horizonte

O alvo de protestos e até vandalismo pela má fase do Cruzeiro foi o ex-presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares. A casa do ex-mandatário foi alvo de pichações após a derrota para o Sampaio Corrêa. O motivo da ira dos cruzeirenses com Gilvan é ser considerado um dos responsáveis pelo caos financeiros no clube, que contraiu muitas dívidas em sua gestão, que ainda geram problemas para a Raposa.

Um exemplo da "herança Gilvan" são os pontos perdidos na Série B por uma dívida não paga pelo volante Denilson, para o Al Wahda, que emprestou o jogador em 2016, cobrando 850 mil euros( 5,3 milhões de reais em valores atuais).

Outra dívida da “era Gilvan” foi com o Zorya, da Ucrânia, que não recebeu os valores referentes à compra do atacante Willian Bigode, em 2015, gerando uma punição da FIFA, que proíbe o Cruzeiro de contratar novos atletas.

As pichações na casa de Gilvan tinham palavras como sacripanta (termo utilizado para definir quem não tem dignidade), comédia, safado, além de uma frase o chamando de ladrão.

Gilvan de Pinho Tavares não quis se pronunciar sobre o caso.