LANCE!
22/06/2018
08:00
São Paulo (SP)

Foi num intervalo de quatro minutos, em 22 de junho de 1986, há exatos 32 anos, que Diego Armando Maradona fez dois gols históricos para colocar a Argentina na semifinal da Copa do Mundo. A vitória por 2 a 1 sobre a Inglaterra, no estádio Azteca, na Cidade do México, teve um simbolismo para os argentinos, num momento de grande rivalidade entre os países por conta da Guerra das Malvinas, ocorrida quatro anos antes. Maradona foi o grande herói.

Primeiro, "La Mano de Diós". Foi no começo do segundo tempo que o camisa 10 usou o braço para vencer o goleiro Peter Shilton no alto e colocar a Argentina em vantagem. A arbitragem do tunisiano Ali Bin Nasser não viu a irregularidade. O gesto de Diego virou até ato religioso da Igreja Maradoniana - o gol é "repetido" ano ano em cerimônia entre fanáticos no país. Maradona começava a deixar a condição de um simples mortal para os argentinos...

- Eu marquei o gol um pouco com a cabeça e um pouco com a mão de Deus - afirmou Maradona, após a vitória.


Mais quatro minutos e todos acreditaram que o meia não era deste planeta, num gol que muitos consideram até hoje o mais bonito de todas as Copas. Maradona pegou a bola no campo de defesa e enfileirou marcadores ingleses, até passar pelo goleiro e colocar a bola no fundo da rede: 2 a 0. Gary Lineker ainda descontou para a Inglaterra, mas a reação parou por aí. O golaço de Maradona foi apelido de "gol do século".

Por "la mano de Diego", como dizem os argentinos, a seleção seguiu firme na Copa do Mundo, bateu a Bélgica por 2 a 0 na semifinal e depois venceu a Alemanha por 3 a 2 na decisão, conquistando o bicampeonato mundial.