Lembrança da Chapecoense ao acidente aéreo na Colômbia que ocorreu em 28 de novembro de 2016

Márcio Cunha/ACF

Futebol Latino
28/11/2020
23:38
Campinas (SP)

O dia 28 de novembro nunca mais será o mesmo desde o trágico acidente aéreo na cidade de Medellín em 2016 onde 77 integrantes do voo em que também estava a delegação da Chapecoense acabaram falecendo em fato que sensibilizou de maneira global a comunidade do futebol.

Pensando nisso e também em tom claro de cobrança referente ao auxílio em arcar com os valores de indenizações a serem direcionadas as famílias das vítimas (situação que já rendeu até mesmo um protesto que ocorreu em setembro de 2019 na frente da sede em Londres da corretora de seguros Aon e da seguradora Tokio Marine Kiln), uma faixa que retratava bem a mistura de emoções foi carregada pelo 11 inicial na entrada da equipe ao gramado para o confronto onde a Chape acabou perdendo por 2 a 0 diante do Guarani em Campinas:

- Nunca esqueceremos! 4 anos de saudade, todos juntos na busca por reparações e justiça! Solidariedade aos familiares das vítimas do acidente aéreo.

Depois que a bola parou de rolar, o lateral-esquerdo Alan Ruschel, que foi um dos sobreviventes ao acidente, foi ouvido ainda na beira do gramado e disse qual era seu sentimento não apenas naquele momento, mas sim referente a algo que ele estabeleceu a si mesmo desde a possibilidade de voltar a jogar futebol.

- É sempre um momento de reflexão para mim, já são quatro anos do que aconteceu. Graças a Deus, eu consegui voltar a jogar e realizar o sonho pela segunda vez. Eu sempre deixei bem claro que a minha motivação maior em voltar a jogar era representar aquelas pessoas da melhor maneira possível. E hoje acho que estou conseguindo fazer isso, estou conseguindo representar bem. Então acho que cabe para mim, para todo mundo, um momento de reflexão, porque todo mundo sabe o motivo do que aconteceu. Agora, é claro que a vida precisa continuar. Minha vida, principalmente, precisa continuar. Então sempre com a saudade eterna, que vai ficar, mas sempre pensando naquilo que Deus tem me colocado para fazer.