Rodrigo Santana, técnico do Coritiba

Divulgação/coritiba.com.br

LANCE!
21/11/2020
21:55
Futebol Latino 

De volta à beira do gramado após ficar afastado por conta da Covid-19, Rodrigo Santana viu seu time perder por 3 a 1 para o Flamengo, no Rio de Janeiro. Com o Coxa na zona do rebaixamento após mais um revés, o técnico já pensa no jogo contra o Corinthians, na quarta-feira (25).

"Um jogo muito importante dentro de casa, onde acreditamos ter mais alguns atletas à disposição. Procurar em pouco tempo, já que o jogo é na quarta-feira, organizar da melhor forma, recuperar os jogadores que mais se desgastaram nessa partida (contra o Flamengo) para buscar a vitória. Precisamos dessa vitória urgente", destacou Rodrigo Santana.

Na 18ª colocação com 20 pontos, o Coritiba terá, além do Corinthians, o Red Bull Bragantino em casa para conseguir reagir na classificação.

"Pegamos uma sequência muito difícil, sendo que nessa tivemos desfalques. Mas temos que superar tudo isso e aproveitar esses dois jogos que teremos em casa para nós subirmos na tabela", completou.

Rodrigo Santana também explicou a forma mais defensiva no qual seu time entrou para atuar contra o Flamengo.

"A gente acredita que para esse jogo muito difícil aqui, o Flamengo faria uma linha de quatro ali na frente. Tínhamos o Nathan Silva que podia recompor ali como zagueiro e atuar como primeiro volante, com a saída do Hugo (Moura), sendo que estamos com muitos desfalques. Sempre fica muito difícil enfrentar o Flamengo na necessidade que eles tinham de vencer", explicou.

"Procuramos ser o mais seguro possível e dar liberdade para nossos laterais jogarem. Acredito que tomamos o gol muito cedo devido a uma bobeira nossa, alçamos uma bola na área e não matamos. Tomamos o contra-ataque e saiu o gol. Não vejo isso como problema de sistema. Após tomarmos o gol conseguimos equilibrar a partida, ter amplitude no jogo, tivemos um pouco mais de posse de bola, algumas bolas cruzaram a área do Flamengo, acho que foi um jogo franco e começamos anular pelos lados, foi onde o Éverton Ribeiro e o Arrascaeta começaram a atuar por dentro. Pegamos o Nathan e trouxemos ele para dentro, sendo que tínhamos três atletas que vinham de Covid. Não dá para competir fisicamente com o Flamengo no momento", continuou o técnico.

"Com todas essas dificuldades tomamos o segundo gol. Acredito que ali fomos envolvidos pelos lados. Fizeram um cruzamento ali no funil onde faltou um volante. Ou seja, se vínhamos com uma linha de cinco, anularíamos por fora. Tiramos a linha, adiantamos um volante para pegar o Éverton Ribeiro e Arrascaeta e conseguimos corrigir. Mas o Flamengo começou a ganhar pelas laterais. No intervalo conversamos e tentamos corrigir com alterações. Segundo tempo tomamos o terceiro gol, mas isso serve de lição para irmos conhecendo os jogadores. Tínhamos que se defender bem, gostaríamos de pelo menos um ponto", concluiu. 

DIFICULDADE POR COVID E DESFALQUES 

Para o jogo contra o Flamengo, o Coritiba contou com oito desfalques, sendo que metade por causa de coronavírus. Rodrigo comentou as dificuldades que a doença traz ao grupo, tendo como base que ele foi vítima recente. 

"É muito difícil. Retornei na quinta-feira, ontem fizemos um treino mais de bola parada, era véspera de jogo. Se torna muito difícil, porque não foi só eu que peguei Covid, teve mais gente na comissão técnica. Isso dificulta, Pachequinho ficou praticamente sozinho no trabalho. Aí você sai, tem uma semana dificultosa para enfrentar um Flamengo eliminado da Copa do Brasil, era o jogo da vida deles. Ai você vem desfalcado tendo que improvisar algum jogador, é muito difícil", lamentou. 

"A gente entende que a forma que nós perdemos não foi a melhor, precisamos evoluir muito em equipe para subir na competição. Único ponto positivo que tiro disso é que acabamos pegando Covid no início do segundo turno. Temos muita competição pela frente, sabemos que outras equipes vão ter a mesma dificuldade e esperamos ter todos à disposição uma vez que o elenco todo quase já pegou Covid", finalizou Santana.