Diego Cerri

Felipe Oliveira / EC Bahia

LANCE!
04/04/2019
16:49

Na última terça-feira (2) o Bahia anunciou a contratação do técnico Roger Machado chegando ele ao clube nordestino após a saída de Enderson Moreira. Um dos responsáveis pela contratação de Roger, o diretor de futebol Diego Cerri explicou os bastidores da negociação com o ex-treinador de Palmeiras, Atlético-MG e Grêmio e conta como o Bahia conseguiu “atrair” o profissional.

- Logo depois de decidirmos que era o momento da saída do Enderson Moreira, entramos em contato e acabamos chamando o empresário até Alagoas, onde estávamos, e compramos uma passagem para ele, para conversarmos pessoalmente e tentar avançar na negociação. Foi algo muito rápido, chegou também o presidente, o vice-presidente também participou. Conversamos com o Roger também no telefone. Debatemos sobre o que nós esperaríamos dele como treinador, o que ele esperava encontrar no clube, para avaliarmos os dois lados. Acho que isso foi muito bacana, tivemos uma empatia de ideias grande - disse Cerri, que completou:

- Explicamos muito sobre o Bahia, o que ele ia encontrar aqui. Não tenho dúvida de que essa transformação do Bahia e a gestão técnica fez com que o projeto do Bahia o atraísse, além, claro, da magnitude da torcida e deste gigante que é o Bahia. Algo que conversei muito com ele é a questão do elenco, de ter jogadores com bom nível, um elenco bem montado, que vai possibilitar a ele fazer um trabalho bom como temos todos de fazer. É importante para ele e para o Bahia que as coisas deem certo.

Além de Roger Machado, o Bahia já havia surpreendido no mercado ao contratar jogadores pretendidos por outras equipes e que estavam em destaque, como os atacantes Gilberto e Fernandão, além de Artur, ex-Palmeiras, Douglas, ex-Corinthians, e Shaylon, ex-São Paulo. Agora, com a contratação do novo técnico, Diego Cerri crê que o mercado já olha para o Tricolor baiano de forma diferente.

- Acho que é notório que o Bahia vem subindo um pouco o patamar, cada vez um degrau, aos poucos como tem de ser, pra se ter uma base sólida, subir aos poucos e não regredir. Resultado ruim vai acontecer no meio do caminho, faz parte, mas na essência temos de ir progredindo todo ano um pouco, levar o clube a outro patamar. O mercado nos olha hoje um pouco diferente do que há alguns anos atrás - disse Diego.

O cartola fez questão de exaltar o trabalho de Enderson Moreira no clube e, principalmente, a mudança de postura que ele conseguiu enxergar no desenvolvimento do estilo de jogo nos primeiros meses do agora ex-técnico do Esquadrão. Acrescentando que a ideia do clube em trazer Roger Machado caminha justamente na linha de continuidade na maneira de atuar desejada:

- O trabalho do Enderson foi muito bem feito. Ficou nove meses no clube, conseguiu ter bons resultados, principalmente no ano passado. Mas conseguiu, acima de tudo, um trabalho muito consistente nessa linha de lapidar um time, montar um time que tivesse a bola, criasse bastante, não ficasse só se defendendo… Acho que o Roger pode dar continuidade a isso, trazer a cara dele ao time, dar sequência nesse trabalho que iniciamos. O próprio Roger viu isso, sem dúvida pesou na vinda dele.