Ponteiro Douglas (Foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Ponteiro Douglas foi uma das novidades no jogo contra a Argentina (Foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Jonas Moura
17/06/2016
18:07
Rio de Janeiro (RJ)

– Não quero deixar de ser o caçula logo. A torcida trata muito bem o mais novo da equipe.

O autor da declaração é Douglas Souza, 20 anos. Promessa da Seleção Brasileira masculina de vôlei, o ponteiro tem curtido cada vez mais a rotina de adulto. Tanto que espera comemorar o próximo aniversário, no dia 20 de agosto, ao lado dos veteranos que tanto o “exploram”.

Nesta sexta-feira, ele teve um teste importante na busca por uma vaga nos Jogos Olímpicos Rio-2016. A final do torneio dos homens será disputada um dia depois da comemoração de mais um ano de vida do garoto de Santa Bárbara d'Oeste (SP).

Em sua primeira grande oportunidade no ano, Douglas ajudou o Brasil a bater a Argentina por 3 a 0 (25-21, 25-13 e 26-24), no segundo compromisso dos comandados de Bernardinho pela Liga Mundial, na Arena Carioca 1, no Rio. Mas o atleta nem sabia que teria chance.

– Fiquei em choque quando ele falou que eu seria titular, no vestiário. Foi engraçado, pois eu não esperava. Achei que não jogaria esta etapa – vibrou o ponteiro, que marcou nove pontos no total, com 50% de aproveitamento nos ataques.

Em quadra, o nervosismo de um novato que frequentemente tem de lavar as roupas dos mais velhos, conforme a tradição, só ficou evidente em um passe imperfeito ou outro. O público gostou do que viu. Antes, o posto de calouro pertencia a Lucarelli. Mas a realidade hoje é outra.

– Eu tenho 20, Lucarelli, 24. Quatro anos de vôlei é muita diferença. Ele tem uma boa bagagem de competição. Sempre rolam brincadeiras, tipo "pega minha roupa e leva para lavar" ou "pega um pen drive para mim". Antes era tudo com ele, agora é comigo – contou o jovem.

Ciente de que vem sendo preparado para Tóquio-2020, Douglas se vê como opção para substituir Murilo, como no duelo contra os argentinos, ou Lucarelli, em caso de necessidade. A posição de ponteiro é a mais carente do time.

– Aconteceu tudo muito rápido. Em um ano, eu estava no Mundial infanto. No outro, era titular no Pan. Agora, disputo vaga na Olimpíada – afirmou jogador, que faturou a prata no Pan de Toronto (CAN).

O Brasil enfrenta neste sábado os Estados Unidos, às 23h10, no mesmo local, em busca da terceira vitória. O jogo acontece no horário da maioria dos confrontos da Seleção na Rio-2016.