David Nascimento
01/11/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Quinze pontos a serem disputados, 26 dias para o fim da Série B do Campeonato Brasileiro. O Vasco entra no último mês de trabalho na temporada com a calculadora na mão. Ainda não garantiu o retorno à elite do futebol nacional e não depende só de si para conquistar o título. Pensando nisso, o LANCE! foi atrás dos cenários matemáticos para o clube.

Membro da Academia LANCE! e responsável pelo Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais, Gilcione Costa afirmou que a queda de rendimento do Vasco neste segundo semestre não complicou o acesso, e sim o título. Contas feitas por ele dão ao time comandado por Jorginho 19.4% de chance de título e 93.8% de G4.

Para subir, o Vasco depende apenas de si. Com 58 pontos, a equipe de São Januário precisa chegar a 68 para selar a vaga matematicamente na Série A de 2017. A marca de 66 teria risco de não subir quase igual a zero. O número de 63, trabalhado pela comissão técnica de Jorginho como necessário, dá boas chances, mas dependerá de tropeços de rivais.

Em questão de título a situação é mais complicada. Com o Atlético-GO na frente com 61 pontos, o Vasco tem que vencer todas e contar com uma derrota do time goiano. Gilcione Costa acredita que o campeão da Série B do Brasileiro neste ano terminará entre 70 a 72 pontos.

– O Vasco precisa ter um desempenho mediano para subir. O acesso está com caminhado, mas tem de ter atenção pelo Bahia estar perto, a cinco pontos. A queda de desempenho influenciou neste sentido – afirmou.

Lateral direito do Vasco, Madson comentou sobre o assunto. O defensor lembrou do equilíbrio necessário e o olhar de atenção para o quinto colocado visando a volta à elite:

– Traçamos alguns objetivos e o principal deles foi o acesso, então temos que olhar com muita atenção para o quinto colocado. Apesar disso, temos a possibilidade de alcançar o primeiro lugar, de brigar pelo título. Por isso, precisamos ter equilíbrio. Imagina a tragédia que seria o Vasco não subir? Nem imagino.

O trabalho segue em São Januário com a calculadora. Contas e mais contas para o fantasma da B sumir.