Coletiva com lateral Zeca

Zeca contou um pouco dos bastidores da Seleção (Foto: Lucas Figueiredo / Mowa Press)

Bruno Cassucci
20/07/2016
18:15
Teresópolis (RJ)

Jogadores convocados pela primeira vez costumam passar por uma espécie de batismo na Seleção Brasileira, normalmente realizado à noite, no momento de descanso e descontração do elenco. No entanto, os jovens da equipe olímpica se depararam com uma situação inusitada na preparação para a Olimpíada do Rio de Janeiro. Um dos estreantes da vez e Fernando Prass, o mais velho do grupo, com 38 anos.

Segundo o lateral Zeca, a idade do goleiro impõe respeito, mas nem por isso ele escapará das gozações.

- Houve alguns que falaram, o Willian até foi lá na hora do jantar, mas quando falamos para ele (Fernando Prass) subir na cadeira, ele saiu de fininho. Já comentamos que ele vai subir na cadeira, mas é só brincadeira sadia. O Prass é um cara por quem temos respeito enorme. Se ele subir, vai falar coisas boas, nos orientar, não só para brincar, mas também para acrescentar coisas legais para a gente - comentou o jogador, que pode atuar pelo lado direito e esquerdo.

Zeca também contou como é a relação entre santistas e palmeirenses na Granja Comary, em Teresópolis. Se ele e os alvinegros Gabigol e Thiago Maia travam rivalidade acirrada com os palmeirenses Prass e Gabriel Jesus em seus clubes, na Seleção o clima é bem diferente.

- Brincamos nos amistosos que o Matheus Sales (volante do Palmeiras) e o Gabriel Jesus foram convocados, falaram que eu era muito folgado em campo, fora viram que eu era um cara do bem. Eu pedi desculpas, disse que fora sou uma pessoa boa, são todos amigos, estamos em busca de uma coisa só que é o título - declarou.

Carismático, Zeca mostrou seu lado simples e humilde ao comentar a visita de Tite e revelar uma surpresa:

- Falei com o Tite pela primeira vez, é uma pessoa boa, ele me chamou pelo nome, chamou a todos pelo nome, fiquei feliz por saber que ele conhece todos.