Zagueiro Gil, da Seleção Brasileira, dá coletiva na Granja Comary (Foto: Lucas Figueiredo / MoWA Press)

Zagueiro Gil, da Seleção Brasileira, dá coletiva na Granja Comary (Foto: Lucas Figueiredo / MoWA Press)

Bernardo Cruz e Igor Siqueira
21/03/2016
13:53
Teresópolis (RJ)

Não é porque está na China que o zagueiro Gil tenha perdido a motivação para os treinos, segundo o próprio jogador. Agora no Shandong Luneng, o defensor foi novamente chamado por Dunga para a Seleção Brasileira e rechaça que tenha ficado com o “espírito de aposentado” por ter se transferido para um centro pouco desenvolvido no futebol.

- A minha vida inteira eu sempre me cuidei, não só dentro e fora de campo. Quem me conhece sabe da maneira como trabalho. Estando no Brasil, sempre fiz trabalhos específicos. Não é porque estou na China que vou parar de jogar, que vou me achar um aposentado, como muitos falavam. Continuo com a mesma seriedade – disse o zagueiro, campeão brasileiro pelo Corinthians.

Sobre a rotina na Ásia, Gil garante que os jogadores tem toda a estrutura necessária para fazer um bom trabalho.

- A comissão técnica é de brasileiros. O clube tem uma estrutura acima da média. Temos tudo, comida brasileira no restaurante do clube, campos, academia. Na rua, o pessoal te reconhece. Não tem essa de assustar. Claro que tem a diferença do fuso, família longe... Mas tirando isso, dá para fazer um bom trabalho na China – completou.

Sobre o próximo adversário do Brasil, os uruguaios, o discurso do defensor, que foi titular contra o Peru, é de dedicação ao máximo.

- Sabemos da qualidade da seleção do Uruguai, vamos nos preparar para construir a vantagem. Não existe uma maneira de parar o Suárez, ele é excelente jogador. Temos que nos preparar da melhor maneira e fazer um grande jogo – emendou.