Igor Siqueira
20/06/2016
19:03
Rio de Janeiro (RJ)

Não foi apenas uma mudança de nomes. Há também uma mudança de comportamento e temperamento à frente da Seleção Brasileira. Enquanto Dunga tinha uma postura fechada e sisuda, Tite já chegou sem a menor cerimônia para demonstrar sentimentos e emoções. O treinador admitiu que "a perna tremeu", não conseguiu dormir e revelou o sentimento da mãe, dona Ivone, quando houve a confirmação de que assumira a Seleção.


- Eu estava chegando aqui, a perna tá balançando, pela expectativa que tem - contou Tite, citando a noite mal dormida:
- Foi um turbilhão. Sou um ser humano. Tenho os mesmos sentimentos. Não consegui dormir direito. Ficava virando na cama umas seis, sete vezes. A minha esposa perguntava: "O que tu tem? Para". Se outros profissionais não tiveram, eu tive - disse Tite.

Outro momento em que sentiu a responsabilidade foi ao passar pelo aeroporto para vir à CBF.

- Tava saindo do aeroporto, e o cara falou: "Tite, agora são 200 e poucos milhões. Olhei para trás assim...

A emoção de Tite veio à tona quando foi indagado sobre como tinha dado a notícia para a mãe, dona Ivone.

- A mãe, tu imagina a realização de ver o filho na Seleção. Eu peço um pouco de cuidado. A emoção vai aflorar. Eu disse para ela hoje pela parte da manhã, quando o Gilmar (Veloz) acabou a reunião e disse que tínhamos concluído a negociação. Ela começou a chorar e me deu benção - relatou.

Com brilho nos olhos, Tite ainda falou sobre como a história da Seleção Brasileira mexe com ele.

- Ela inspira e faz o joelho balançar também. É toda uma história extraordinária. Me lembra 1970, eu ouvindo com oito anos o rádio. Ai o Tostão recebe uma bola pela esquerda, há uma infiltração do Clodoaldo e o gol. Eu saio pulando, vibrando, feliz da vida. Lembrar da Copa de 1982 também me marcou, pela beleza. Sou fascinado por meio-campistas. Quanta criatividade, quanta luz...