Bruno Cassucci
03/08/2016
06:50
Enviado especial a Brasília (DF)

O futebol tem histórias curiosas e fascinantes, daquelas que parecem mais fazer parte de um roteiro de ficção do que fatos da vida real. A que Gabigol viverá nesta quinta-feira é uma delas. No mesmo local onde começou a escrever a sua história, o garoto iniciará a busca por um sonho – dele e de milhões de brasileiros. No Estádio Mané Garrincha, palco da estreia do atacante como jogador profissional, em 2013, a Seleção dará a largada na busca pelo inédito ouro olímpico, diante da África do Sul, às 16h.

Com 16 anos, ainda franzino e sem a barba que cobre o seu rosto hoje, mas já como esperança de gols do Santos, Gabigol entrou no lugar de Henrique Dourado aos 23 minutos do segundo tempo. Embora badalado desde a infância, o garoto foi mero coadjuvante no empate sem gols com o Flamengo, válido pela primeira rodada do Brasileirão, que tinha Neymar como centro das atenções. O camisa 11 fazia naquele dia a sua despedida antes de ir para o Barcelona (ESP).

Muita coisa se passou desde então, mas Gabigol não esquece...

– Aquele dia nunca saiu da minha cabeça. Com 16 anos poder estrear pelo Santos e por tudo que aquele jogo envolveu, a despedida do Neymar, que é um grande ídolo pra mim. Fiquei um pouco nervoso, normal, né? (risos) Foi ali que tudo começou e tenho certeza que foi um dos dias mais felizes da minha vida. Desde então muita coisa mudou, estou mais maduro, cresci como jogador e pessoa. Mas sei que vem muita coisa pela frente. Tenho 19 anos e me sinto com a mesma vontade de aprender, ouvir, fazer os meus gols... – disse, ao LANCE!.

Após três anos, Neymar segue como protagonista em Brasília, mas Gabigol mudou de status. Ele assumiu a camisa 10 do Santos, a 9 da Seleção olímpica e está perto de ser vendido por mais de R$ 91 milhões à Inter de Milão (ITA). É hora de um novo e importante começo:

– Será um prazer voltar ao estádio, reviver toda essa história. Certamente passará um filme na minha cabeça. Será nossa estreia, temos de começar bem. É um torneio que todos querem ganhar, um ouro inédito. Que seja mais um dia para ficar marcado em minha vida.

- DE LÁ PARA CÁ...

Nome
Apelidado de Gabigol desde o início da carreira, o jogador pediu para deixar a alcunha durante um período no Santos. Ele foi chamado pelo nome e também teve incorporado o sobrenome Barbosa em uma fase. No entanto, desde o ano passado ele voltou a aceitar o apelido.

Camisa
O atacante estreou com a camisa 18 do Peixe, mas chegou a herdar a 11 de Neymar depois. Hoje ele atua com a histórica camisa 10 alvinegra, que já foi de muitos craques no passado, inclusive o maior de todos, Pelé! Na Seleção, ele veste a 9.

Mundial
Gabigol deixou de ser apenas uma esperança do Santos para ser uma promessa mundial. O Barcelona chegou a adquirir a preferência de compra dele e hoje clubes europeus disputam a contratação dele. A Inter de Milão, da Itália, fez uma oferta maior que a rival Juventus e está próxima de contratar o jovem por mais de 25 milhões de euros.

Força
O jogador hoje se destaca não pelo faro de gols e também pela força física. Ele ganhou massa muscular graças à idade, mas também a trabalho que fez com um preparador físico particular. O resultado é visto em campo, já são 155 jogos e 57 gols pelo Santos.