William Correia
31/10/2017
12:31
São Paulo (SP)

O Profeta traz energia boa e coloca na mente dos jogadores o objetivo certo. É assim que Edimar enxerga Hernanes, capitão do São Paulo e, segundo o lateral-esquerdo, capaz de dar tranquilidade e fazer o time mentalizar apenas a busca pelos 47 pontos, para evitar qualquer risco de rebaixamento.

- O Hernanes é fora de campo como faz em campo: um líder, cara que faz tudo com muita força, conversando com os mais novos, trocando ideias com mais experientes. É excepcional, acrescenta muito. Passa muita luz e paz para todos nós - disse Edimar, em entrevista coletiva depois do treino desta terça-feira.

Nessa segunda, ao SporTV, Hernanes disse que já se pegou fazendo contas para ver se ainda é possível ser campeão brasileiro. Mas o próprio capitão se contém. Foi dele o discurso para que o time focasse apenas em fugir da zona de rebaixamento, em discurso feito ao elenco logo após a derrota para o Fluminense, no último dia 18, quando a atuação apática no Maracanã fez o Profeta fazer cobranças públicas a todos.

- Esses pensamentos, às vezes, vêm. Mas quem trouxe a palavra de 47 pontos foi o Hernanes, que é o capitão. Nosso objetivo é esse. Tudo que nos tira desse foco é um pensamento a ser extraído da mente. Nosso pensamento está nos 47 pontos e, aí sim, buscar outras metas - contou Edimar.

- Depois do jogo contra o Fluminense, estabelecemos a meta dos 47 pontos, nossa cabeça e nosso foco está nisso. Queremos isso para sair de vez da zona de rebaixamento e, aí sim, pensar em outros objetivos. Mas o primeiro objetivo é atingir 47 pontos - prosseguiu.

O São Paulo tem 40 pontos, a quatro da zona de rebaixamento e dentro da faixa da tabela que dá vaga na próxima Copa Sul-Americana. Se não perder mais nas sete rodadas que restam no Brasileiro, o Tricolor atinge a pontuação cobrada por Hernanes.

Veja outros temas abordados por Edimar em sua entrevista coletiva nesta terça-feira:

Renovar com São Paulo
Fui contratado pelo Cruzeiro a pedido do treinador português (Paulo Bento), mas fui um dos que mais jogou com o Mano Menezes no ano passado. Neste ano que não joguei. Estou emprestado até dezembro e estou muito feliz aqui. Quero ficar no São Paulo, pelo clube gigante que é e pelos profissionais que tem. Até o momento, não foi falado nada. Mas o meu foco está no Brasileiro.

Disputa com Júnior Tavares
O Júnior é um jovem, com margem de crescimento muito grande. É uma disputa saudável como todo clube grande precisa ter. O Dorival escolhe e quem ganha com isso é o São Paulo.

Jogo contra o Atlético-GO
Temos de buscar pontos fora, precisamos melhorar isso. Não é só por questão do tamanho do Atlético-GO, todos os jogos são difíceis e são de suma importância no campeonato.

Clima mais tranquilo
A vitória te traz muitos benefícios. Alegria e confiança aumentam, trabalhos ficam mais leves. Quando você perde, jogadores ficam tristes, mas agora o clima está saudável. Nosso momento tem sido muito bom, essas vitórias seguidas eram o que buscávamos para ter mais tranquilidade. Queremos uma sequência maior para o clima melhorar ainda mais.

Sequência de Dorival
Dorival tem contrato até dezembro de 2018. Não podemos comentar porque quem decide é a diretoria, mas é evidente que o trabalho dele é um sucesso. Pegou o time em situação difícil e, agora, podemos respirar, e podemos crescer mais. Mas isso de quem continua ou não podemos falar mais para frente.

Escalação repetida
Sequência de equipe, sem jogador suspenso, te dá consistência, você trabalha melhor. É o que o Dorival tem buscado, dar sequência a quem ele quer que jogue. Quem ganha é o São Paulo, porque dá entrosamento e confiança.

Comemoração no gol de Cueva, contra o Santos
O Cueva que inventou. Fui para comemorar o gol e participei, mas não estou sabendo o que é.