Bruno Grossi e Marcio Porto
07/09/2016
06:45
São Paulo (SP)

Contra a zaga "vitaminada" do Palmeiras (Vitor Hugo e Mina), o São Paulo tem uma arma não menos motivada para o clássico desta quarta-feira, pelo Campeonato Brasileiro. Jogador do rival até o fim do ano passado, o atacante Kelvin sabe como é atuar no Allianz Parque. Ele é o único atleta do grupo tricolor que já provou o gostinho de marcar um gol na nova casa palmeirense.

Kelvin fez no Allianz Parque no dia 12 de maio de 2015, na goleada de 5 a 1 sobre o Sampaio Corrêa (MA), pela segunda fase da Copa do Brasil. O Palmeiras avançou e caminhou para o título da competição.

O gol solitário já o coloca como o de melhor aproveitamento no Allianz entre os são-paulinos. Outros seis enfrentaram o rival na nova arena, perdendo por 3 a 0, no Paulistão, e 4 a 0, no Brasileirão, ambos em 2015: Bruno, Lucão, Carlinhos, Hudson, Thiago Mendes e Michel Bastos. Mena, pelo Cruzeiro, e Wesley, ex-palmeirense, também jogaram no palco em que Kelvin obteve cinco vitórias, quatro empates e quatro derrotas.

Kelvin também está motivado porque da última vez em que enfrentou o Palmeiras foi protagonista. No primeiro turno, no Morumbi, ele teve grande atuação na vitória tricolor por 1 a 0. Não fez gol, mas infernizou os palmeirenses, coroando a atuação com chapéu e entortada no lateral-esquerdo Zé Roberto. Os lances fizeram a alegria dos torcedores do São Paulo e renderam animações na internet.

– Não penso em ser o destaque do jogo, não, mas com certeza me traz mais confiança. Tive bom desempenho no primeiro jogo e com a vitória traz boas lembranças. Vou entrar bem confiante para ajudar minha equipe. O momento é coletivo, todo mundo precisa se doar para ajudar o São Paulo. Esta semana foi muito forte – declarou o camisa 30.

O São Paulo joga para sair da incômoda situação que vive. Depois da derrota de 2 a 1 para o Juventude, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, no Morumbi, os torcedores invadiram o CT e agrediram Carlinhos, Wesley e Michel Bastos. Depois disso, o clube se fechou. Kelvin acredita que, apesar do episódio lamentável, o período foi positivo.

– Vamos entrar para ganhar o jogo, equipe de vitória, unida. Não só os 11, como os que estão entrando, a parte do Reffis. O São Paulo se uniu essa semana e se Deus quiser vai dar tudo certo, já para reerguer o São Paulo. Esperem um São Paulo com espírito de vitória – disse.

Desfalcado, mal na tabela e sob desconfiança do torcedor, o São Paulo tenta mostrar força no clássico na casa do rival. Kelvin, que já brilhou, pode ser a esperança de uma arrancada tão esperada.