Vitor Bueno

Vitor Bueno conquistou seu primeiro título com a camisa do Santos (FOTO: Ivan Storti)

Léo Saueia e Russel Dias
14/05/2016
08:10
São Paulo (SP)

A goleada por 4 a 0 do Santos sobre o Atlético-MG, na Vila Belmiro, pelo Brasileiro do ano passado, foi só mais uma no que era a corrida do Peixe para o G4. Mas para Vitor Bueno em especial, a partida marcou sua estreia pelo profissional do Peixe. Ainda melhor: com uma passe para gol.

Neste sábado, diante do mesmo Atlético-MG, no Independência, às 18h30, na estreia do Santos no Brasileirão, as coisas serão bem diferentes para Vitor Bueno. Oito meses depois, ele terá a responsabilidade de ser o único meia titular do time e de armar as jogadas em busca de um início com vitória santista.

Com Lucas Lima machucado, ele deverá ter a companhia de Ronaldo Mendes no meio de campo, reserva do time de Dorival Júnior.

- Sempre sonhei com esse momento e esperei que chegasse. Estou muito feliz. Começar o Brasileirão para mim é tudo que pedi. Quero dar tudo que tenho para ajudar o time - diz o garoto de 21 anos, em entrevista exclusiva ao LANCE!.

Desde que perdeu Marquinhos Gabriel e Geuvânio, o técnico Dorival Júnior testou Paulinho e Serginho como o quarto homem do sistema ofensivo do Alvinegro, mas Vitor Bueno, o último testado, foi quem se encaixou na função.

Na reta final do Paulistão, por exemplo, foram dele os dois gols que classificaram o time para a semifinal contra o Palmeiras, vencida nos pênaltis na Vila Belmiro.

Da conquista estadual, só Vitor Bueno e Gabigol serão titulares, já que Ricardo Oliveira também está no departamento médico com tendinite no joelho. Nas semanas seguintes, enquanto Lucas estiver na Seleção Brasileira, a responsabilidade continuará sendo de Bueno.

Mais uma vez o Santos começa o Brasileiro confiando nos garotos.

Confira um bate-bola exclusivo com o meia Vitor Bueno

​Você estreou contra o Atlético-MG no ano passado. O que mudou na sua vida desde aquele jogo?
Minha vida mudou um pouco, claro. Comecei a jogar, a ficar conhecido na rua. As pessoas me param na rua para pedir autógrafo, pedem foto... Acho que evoluí bastante como jogador, como pessoa aprendi muito também. Todos no Santos conversam comigo e isso ajuda bastante. Tanto o professor Dorival, como pessoas da comissão técnica, jogadores, funcionários. Todos me ajudam bastante.

No que você evoluiu e acha que ainda precisa evoluir desde a sua estreia como profissional?
Desde o dia em que cheguei evoluí tecnicamente e taticamente, mas nunca está bom. Tem que evoluir mais sempre. Procuro ser o melhor que posso e aprimorar conforme as instruções que são dadas.

Como é começar o Brasileiro como titular do Santos?
Sempre sonhei com esse momento. Estou muito feliz. Começar o Brasileirão é tudo que pedi.