Cuca

Cuca durante o eletrizante empate em 3 a 3 com o Rosario Central (Foto: Cesar Greco)

Fellipe Lucena e Thiago Ferri
08/04/2016
08:00
São Paulo (SP)

Depois do início “horrível”, como ele mesmo afirmou, Cuca começa a recuperar as esperanças na Academia de Futebol. Com uma boa vitória sobre o Corinthians e a valente atuação no empate com o Rosario Central (ARG), o técnico vê seu trabalho, ainda que distante do ideal, receber elogios.

Diante do pouco tempo para treinar (foram sete jogos em pouco mais de três semanas), Cuca tem armado o Verdão de acordo com os rivais. No Dérbi, usou o 4-4-2. Na Argentina, o 3-5-2, mesmo sem chance de treinar. A tática vem dando certo, mas não é como o treinador gosta de trabalhar.

– Eu prefiro manter um esquema e esporadicamente jogar conforme o adversário, mas ainda não temos um esquema definido. Analisamos os adversários e montamos em cima deles, não só para marcar, mas para oferecer perigo. Eles (jogadores) estão de parabéns – disse o técnico, depois do 3 a 3 em Rosario (ARG).

Em busca desta identidade, o comandante não pode ser acusado de usar pouco o elenco. Até agora, 23 jogadores atuaram com Cuca e apenas nove ainda aguardam uma oportunidade.

Foi nesta fase de testes que ele encontrou uma nova posição para Gabriel Jesus, colocou Jean na lateral e fez Egídio crescer. Embora Cuca diga que pouco conseguiu fazer, seu time vem se mostrando mais seguro e organizado. Entre os atletas, as mudanças têm sido bem aceitas.

'Falei com o Alexandre Mattos, lotará a arena e teremos de fazer uma corrente juntos', disse Cuca, na Argentina

– Ele (Cuca) ainda não conseguiu chegar na equipe ideal, sabe que a gente oscilou muito nos últimos jogos, então tem que mudar o esquema mesmo, tentar encaixar com o deles. (Na quarta) Eu acho que ele foi bem na escolha de colocar três zagueiros – analisou o meia Robinho.

Entre os torcedores, a reação também é favorável, mesmo que a classificação na Libertadores esteja complicada, dependendo de uma combinação de resultados.

Na chegada da delegação ao Brasil, ontem, todos os palmeirenses que abordaram Cuca elogiaram a equipe contra o Rosario. Alguns até agradeceram. Em resposta, o treinador disse que com alguns ajustes o time irá melhorar.

– Vocês vão ver – prometeu.

Gabriel Jesus cumprimenta Cuca em Rosário (FOTO: Cesar Greco/Palmeiras)
Gabriel Jesus cumprimenta Cuca (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Confira um bate-bola com o volante Gabriel:
‘O time está se encontrando, voltou a jogar como Palmeiras’

Como avalia o atual momento do Palmeiras? Houve uma melhora?
O time voltou a jogar bem, voltou a jogar como o Palmeiras tem de jogar, impondo o ritmo de jogo. Já fizemos isso nas últimas três partidas, não vínhamos encontrando este futebol neste ano, mas voltou a acontecer. Acredito que por essa evolução merecemos uma coisa boa na próxima semana para sairmos classificados.

Em que a equipe melhorou?
Padrão tático de jogo, a equipe vem se encontrando, está tocando mais a bola, agride mais, tem mais ritmo de jogo. Nos nossos últimos três jogos, principalmente. O padrão tático está melhor, é visível e tem muito a melhorar. O Cuca trabalha muito isto, a equipe está mais confiante.

Quem não jogou:

Motivos físicos: Desde sua chegada, Cuca não pôde usar Moisés, que operou o pé esquerdo, Cristaldo, com uma lesão na coxa direita e Cleiton Xavier, que não joga há sete meses e está sendo recondicionado fisicamente.

Concorrência: Vagner e Vinícius, substitutos de Prass, não jogam, porque o camisa 1 nem se machucou nem foi suspenso. Leandro Almeida, inscrito só no Paulista, voltou de lesão após falhar no Estadual, já ficou no banco, mas é a última opção no setor. Nathan, Victor Luis e Rodrigo, inscritos na Libertadores, sofrem pelo mesmo motivo e por só liberarem sete atletas no banco no torneio. Nathan agora está machucado.