RADAR / LANCE!
18/05/2016
12:57
Rio de Janeiro (RJ)

Assim como na edição passada, caberá a Flamengo e Bauru medirem forças na busca pelo título do NBB. Enquanto o Rubro-Negro tenta se consolidar como maior campeão do atual formato (atualmente, o clube detém três títulos, mesmo número que o Brasília), a equipe bauruense visa uma conquista inédita.

O LANCE! consultou dois ex-jogadores de basquete para traçarem um panorama do que os torcedores podem esperar para esta final, que será decidida em melhor de cinco partidas.

BYRA BELLO - Ex-jogador de basquete e comentarista do Sportv

Embora a perspectiva seja de que as duas partidas sejam bastante equilibradas, não há dúvida de que o Flamengo tem um leve favoritismo na decisão. O Rubro-Negro tem a vantagem de jogar três partidas em casa e contar com um time completo, enquanto o Bauru chegar à decisão desfalcado de Rafael Fischer, um de seus principais jogadores, que está lesionado.

Além disto, o Flamengo tem um plantel muito bom, que se dá ao luxo de contar com dez jogadores e com muita motivação. Creio que o atleta que mais vem mantendo regularidade seja Marquinhos, mas o técnico José Neto ainda conta com a qualidade de Olivinha, Ronald Ramon, e a experiência de Marcelinho. 

Ao Bauru, resta medir forças para quebrar a vantagem do Flamengo e vencer uma das partidas fora de casa e, em quadra, há trunfos para compensar a ausência de Fischer. A equipe tem um jogo externo muito bom, que pode pesar na decisão, o Paulinho vem se destacando muito, e nomes como Alex, Jeferson e Robert Day têm chance de fazer a diferença.  

EDUARDO AGRA - Ex-jogador e comentarista da ESPN

Chegam à decisão do NBB as equipes que mais jogaram, possuem os maiores orçamentos da competição, e não há dúvida de que teremos a nata do basquete nacional na decisão. Será uma partida muito equilibrada, especialmente porque os técnicos de Flamengo e Bauru se conhecem de longa data.

Além de decidir em casa, o Flamengo tem como trunfos a organização e a experiência. Trata-se de uma equipe muito homogênea, que tem jogadores como Marquinhos, Marcelinho, na qual é difícil você apontar quem é capaz de ditar o alto nível do estilo de jogo ofensivo. 

Mesmo tendo a ausência de Ricardo Fischer, o Bauru ainda tem chances de levar a melhor na decisão. A equipe é muito bem arrumada, sabe conduzir o jogo, e conta com nomes como Hettsheimeir, Alex e Rafael, que podem fazer a diferença.