Wilson Baldini Jr.
10/06/2016
16:26
São Paulo (SP)

Emoção, respeito e amor marcaram o funeral de Muhammad Ali, nesta sexta-feira, em Louisville, no Kentucky. Cerca de um milhão de pessoas se espalharam pela cidade para acompanhar o cortejo, que reuniu 16 limosines e várias personalidades como o ator Will Smith e o ex-campeão mundial Mike Tyson.

A cerimônia teve uma duração de 2h17 e percorreu cerca de 30 quilômetros pela cidade natal do pugilista, que morreu dia 3, em Phoenix, no Arizona, vítima de complicações por causa do Mal de Parkinson. Tyson e Smith carregaram o caixão de Ali.

Durante todo o trajeto, a comitiva foi acompanhada por uma multidão, que não se cansou de homenagear o grande ídolo. Os gritos de "Ali, Bomaye" (Ali, Mate-o) - que foram criados na África, em 1974, durante a histórica luta contra George Foreman - voltaram a ser entoados pelos fãs.

Muitos não se continham e iam de encontro para tocar no automóvel, como se estivessem cumprimentando o boxeador. Outros calçavam luvas e faziam gestos de lutador, repetindo o que Ali eternizou nos ringues.

Eram homens, mulheres, brancos, negros, jovens e idosos fazendo questão de saudar com muito respeito o esportista mais importante de todos os tempos. Muhammad Ali, que sempre se gabou de ser o "campeão do povo", tinha o seu reconhecimento mais uma vez.

Dois pontos do trajeto causaram maior emoção. Primeiro no Muhammad Ali Center, onde milhares de pessoas se aglomeravam para dar o último adeus. O outro foi na casa onde o boxeador nasceu em 1942. Duas filas de guardas policiais precisaram ser feitas para impedir o assédio do público.

Nas 15 limosines que completavam a comitiva, familiares de Ali e personalidades convidadas abaixaram os vidros do automóvel e acenaram para delírio do público.

Ao final, o cortejo se dirigiu ao cemitério Cave Hills para uma cerimônia reservada. O corpo de Ali foi cremado e suas cinzas serão colocadas em uma urna, que será depositada em um salão onde estão os restos mortais de 5,5 mil soldados da Guerra Civil americana.