Muhammad Ali

Ali proclamou-se 'Rei do Mundo' após nocautear Sonny Liston (Foto: Reprodução/Facebook)

Jesús Mínguez*
04/06/2016
16:04
Madri (ESP)

Houve uma luta capaz de mudar tudo na vida de Muhammad Ali: boxe, esportes, política, o que significava ser negro em um racista América ... Em 25 de fevereiro de 1964 no Centro de Convenções de Miami, um menino chamado Cassius Clay tornou-se campeão mundial dos pesos pesados aos 22 anos.

Naquela noite, após Sonny Liston abandonar o sexto assalto, aquele que, mais tarde, recebeu a designação de de The Greatest subiu nas cordas e proclamou como um louco: "Eu sou o rei do mundo!". Ali, realmente, nasceu a lenda. Um dia depois, abraçado à Nação do Islã, anunciou que passaria a ser chamado de Cassius X, em honra a Malcolm X, que ocupava o assento sete do ringue em Miami. Mais tarde, este nome mudaria para Muhammad Ali.

Sonny Liston foi proclamado campeão mundial de 1962, ao nocautear o detentor do título, Floyd Patterson, no primeiro round. O resultado se repetiu no ano seguinte e, na plateia, a torcida ficou enfurecida com um espectador chamado Cassius Clay.

Em 1964, Liston encontrou Ali. O jornalista David Remnick, no livro "Rei do Mundo", traz os detalhes do combate, que ocorria em um país em convulsão e dava as apostas em 7-1 para Sonny. À época, o repórter do New York Times, Robert Lipsyte recebeu do patrão a ordem de estudar a maneira mais rápida entre o ringue e o hospital, onde seria conduzido Ali.

Muhammad Ali entrou no ringue com roupão branco, no qual continha a expressão "The Lip" ("O Falastrão"). A narração dizia: "Vejam o jovem Clay lutando contra "Osso" / Liston recua, recua, e terminará no poço! / Porque no ringue não há mais lugar / Clay é muito espaçoso / Clay bate com um punho / Bate com o outro em seguida / Só quem luta é Cassius Clay, o 'Formoso'.

Ali mostrou que há uma forma diferente de boxear: com rapidez nas pernas e guarda baixa. Cortou uma sobrancelha de Liston, e quase o derrubou. Então, o oponente decidiu abandonar. 

Surgia naquele momento um campeão diferente. Um campeão que não se conforma, capaz de fazer rupturas. Muito mais do que apenas um atleta nascido na América. Naquele dia, morreu Clay para nascer Muhammad Ali.

"O mais perturbado de todos os egos", como definiu o escritor Norman Mailer, no topo do mundo Ali era um professor, às vezes bem cruel, como aconteceu com Joe Frazier. Antes de encarar Liston, Ali ficou plantado ao lado de um fotógrafo na porta da casa do adversário, por pura provocação. Também fretou um ônibus com cartazes que "previam" um nocaute no oitavo assalto.

Certa vez, Harold Conrad levou os Beatles ao 5th Street Gym, em Miami. Cassius os fez esperar, posou para a famosa foto e disse ao grupo: "Tínhamos que fazer uma turnê juntos. Ficaríamos ricos".

*Jesús Mínguez é repórter do Diário AS