Embarque do Flamengo

Pará, Alan Patrick, Everton, Paulinho e Marcelo Cirino se envolveram em polêmica festa (Foto: Reprodução Twitter)

David Nascimento e Pedro Barboza
05/11/2015
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Durou apenas uma semana o período em que o lateral-direito Pará, o meia Alan Patrick e os atacantes Everton, Paulinho e Marcelo Cirino ficaram afastados no Flamengo. Na tarde de quarta-feira, o quinteto demonstrou arrependimento por terem ido a uma festa com bebidas e mulheres na semana passada durante crise do time. Já na manhã desta quinta-feira, eles voltam a treinar com os demais atletas. Ao longo da semana, novas conversas serão realizadas entre as partes para avaliar o que será feito até o fim da temporada.

Em um primeiro momento, a ideia é a de que Pará, Alan Patrick, Everton, Paulinho e Marcelo Cirino não sejam mais aproveitados no time. A decisão de treinarem junto com o elenco novamente acontece mais para facilitar negociações. Os cinco permanecem na lista de não aproveitados para 2016. O retorno aos treinos não significa necessariamente que eles estarão à disposição do técnico Oswaldo de Oliveira para o jogo contra o Goiás, domingo.

'Diante da reação dos jogadores, a comissão técnica decidiu que voltariam a treinar com o grupo sem o prejuízo da multa de 30%' - Bandeira

Everton, com contrato no Flamengo até o fim de 2017, tem proposta do Tianjin Songjiang, da China, o mesmo time do técnico Vanderlei Luxemburgo, e o Rubro-Negro. Pará tem contrato de empréstimo com o Fla até o fim do ano – ele pertence ao Grêmio –, com uma cláusula de renovação automática, mas o clube carioca não quer colocar em prática a cláusula.

Marcelo Cirino tem a situação mais complicada. Com vínculo até o fim de 2017, pertence à Doyen Sports. O representante da empresa, Renato Duprat, afirmou que tem consultas de clubes brasileiros pelo camisa 7, mas a prioridade é para transferência internacional.

Alan Patrick também tem contrato de empréstimo com o Flamengo até o fim deste ano – ele pertence ao Shakhtar, da Ucrânia. O Rubro-Negro chegou a anunciar acordo de renovação por mais seis meses com o empresário do meia, mas voltou atrás após o episódio de indisciplina. Já Paulinho, com contrato até início de 2018, ainda não recebeu proposta neste fim de ano, mas a cúpula do Fla decidiu depois que não irá mais contar com ele.

– Diante da reação dos jogadores, a comissão técnica decidiu que voltariam a treinar com o grupo sem o prejuízo da multa de 30% – salientou o presidente Eduardo Bandeira de Mello, em contato com o LANCE!.

Vale lembrar que a decisão da volta aos treinos em nada altera a multa de 30% aplicada sobre os salários de cada um dos afastados.