Zagueiros Corinthians - (foto:Daniel Augusto Jr)

Balbuena, Yago, Felipe, Vilson e Pedro Henrique, zagueiros do Corinthians (Foto:Daniel Augusto Jr)

Bruno Cassucci
10/05/2016
07:20
São Paulo (SP)

Dentre todas posições, a de zagueiro era a que menos causava preocupação a Tite e aos diretores do Corinthians nos últimos dias. No entanto, o setor que hoje tem fartura de opções poderá sofrer baixas e causar problemas.

Um desfalque já é certo. Balbuena foi convocado para a disputa da Copa América pelo Paraguai e desfalcará a equipe por até nove partidas, a partir do dia 26 deste mês.

Para piorar, o titular Yago deve ser suspenso ainda nesta semana por dias 30 por conta de doping. A contraprova já saiu, mas o Corinthians ainda não foi notificado. Ele terá de aguardar julgamento e, assim, deve desfalcar o Timão no Brasileiro.

– Ainda não fomos notificados quanto ao resultado da contraprova, o que deve ocorrer nos próximos dias. A possibilidade de suspensão realmente é grande – afirmou Julio Stancati, médico corintiano, ao LANCE!.

Assim, Tite terá de escolher um entre os reservas Vilson e Pedro Henrique. Ou até os dois! Isso porque Felipe, principal referência da defesa corintiana, também pode virar um desfalque. Valorizado após convocação para a Seleção Brasileira, o jogador de 26 anos interessa ao Porto, de Portugal, que busca um zagueiro para a próxima temporada.

O clube europeu monitora a situação do defensor, já fez uma sondagem por ele, e deve formalizar uma proposta na janela de transferências europeia, que abre em julho.

Felipe tem vínculo até o fim de 2019 com o Corinthians, que no início do ano investiu cerca de R$ 13 milhões para ficar com 100% dos direitos econômicos dele. Após recusar oferta do Monaco (FRA), o Timão adquiriu metade dos direitos do atleta que eram do Banco BMG.

O zagueiro se firmou no Corinthians no ano passado e ganhou ainda mais importância no início desta temporada, após a saída de Gil, que se transferiu ao Shandong Luneng, da China, em janeiro.

Fundamental para o hexa brasileiro em 2015, quando o clube teve a defesa menos vazada, a zaga acende o sinal de alerta no Timão.