Bruno Cassucci
27/06/2016
15:42
São Paulo (SP)

A Comissão de Ética do Corinthians encerrou a fase de depoimentos e deve emitir em breve o seu parecer sobre o escândalo recente nas categorias de base do clube. Caso o órgão aponte culpados, a pena máxima pode ser a exclusão do quadro de sócios do Timão.

A investigação é referente as denúncias do empresário norte-americano Helmut Niki Apaza, reveladas há quase dois meses. Ele diz que pagou ao ex-gerente da base alvinegra, Fábio Barrozo, 110 mil dólares por 20% dos direitos econômicos de Alyson Motta, jogador de 16 anos, e também por uma procuração do Corinthians. Ambas as negociações não teriam validade segundo o Timão. O dinheiro, segundo Niki, seria repartido por Barrozo com o conselheiro Manoel Evangelista, conhecido como Mané da Carne. Ambos os acusados negam.

A Comissão de Ética, vinculada ao Conselho Deliberativo do Corinthians, colheu depoimentos de diversas pessoas. Foram ouvidos o presidente do clube, Roberto de Andrade, o diretor adjunto de futebol, Eduardo Ferreira, funcionários da base e outras pessoas que poderiam ter ciência do caso. Depois, alguns suspeitos foram convidados a darem suas considerações finais.

Nos próximos dias os responsáveis pela sindicância vão se reunir para deliberação. Depois, um relatório serão enviado ao Conselho Deliberativo, que pode apresentar eventual recurso.

- O Estatuto prevê as punições de advertência, suspensão, perda do cargo e desligamento do clube - explicou Sérgio Alvarenga, presidente da Comissão de Ética do Corinthians, ao LANCE!.