Fred no Atlético-MG - marcando gol

Fred(Foto: Juliana Flister/i7)

RADAR/LANCE!
14/07/2016
16:15
Belo Horizonte(MG)

O Atlético-MG vem sofrendo com lesões há um bom tempo. Diante do Coritiba, por exemplo, o clube terá pelo menos sete cortados por lesões. Entre eles, o equatoriano Cazares, um dos atletas mais importantes do atual elenco e artilheiro do time no Campeonato Brasileiro, com seis gols.

Esse alto número de cortes parece estar incomodando o atacante Fred, que
culpou o calendário brasileiro como o principal responsável pela lotação do departamento médico do Galo. 

 -Não tem um dia que não trabalhamos sem dor. Vou para o campo, penso em fazer menos para não estourar, mas na hora não tem como, tem de dar tudo. Estamos buscando prevenir. O nosso calendário é uma vergonha. O próprio Tite, que agora está lá, já reclamou também. Já jogamos quinta à noite e depois no domingo pela manhã. É uma loucura. Temos de nos adaptar. Não tem nem como falar que é acidente. As lesões já estão agendadas. Vão errar em alguns dias. O jogador já está preparado para isso, mesmo tendo medo.

Mesmo com tantas baixas, o  camisa 99 mostrou-se confiante no atual elenco alvinegro.  

 -O que temos de fazer é levar para dentro de campo o bom elenco que temos para suprir essas baixas. Perdemos o Cazares, mas temos um grupo bom.

Os números, porém, ilustram que não será tão fácil achar um substituto para Cazares. Em todas as partidas que ele jogou ao lado de Fred, o Galo obteve um aproveitamento de 86 %. Sem o equatoriano, ele despenca para 14 %. 

Além disso, o substituto natural de Cazares, o argentino Dátolo é mais a um entregue ao departamento médico. Outra possibilidade na criação é o recém chegado Carlos Eduardo, que ainda não teve boas exibições. Fred, porém, mostrou o seu dedo de treinador e apontou outros caminhos para armar o Atlético sem Cazares. 

 -O Maicosuel está voltando, temos o Patric e o Robinho, vários jogadores fazendo essa função. Já jogamos com três meias e já ganhamos assim. Temos de nos adaptar e levar para campo, independentemente de quem jogar. É tentar tirar ao máximo um do outro.