Zé Ricardo - Vasco

Vasco, do técnico Zé Ricardo, é uma equipe frágil ofensivamente (Foto: Daniel RAMALHO/CRVG)

Matheus Guimarães
22/05/2022
07:30
Rio de Janeiro (RJ)

Vasco desta temporada é uma equipe frágil ofensivamente. Tal problema faz com que o trabalho de Zé Ricardo seja alvo de duras críticas. Por outro lado, mesmo com certas falhas individuais, o sistema defensivo apresenta uma maior consistência. Com isso, o treinador cruz-maltino precisa mudar para o time acumular vitórias e não somente pontos.

+ Confira a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

Em 2021, os resultados não aconteciam em razão da fragilidade na defesa. Com a chegada de Nene e do técnico Fernando Diniz, o Vasco esboçou uma melhora, mas insuficiente para conquistar o acesso à elite do futebol brasileiro.

Já nesta temporada, a zaga do Cruz-Maltino não é completamente exposta. Com a chegada de Gabriel Dias, o lado direito do time melhorou. Contudo, a presença de Edimar na lateral-esquerda é contestada.

Anderson Conceição e Quintero falham individualmente em certas jogadas, mas a experiência, entrosamento e garra de ambos são pontos favoráveis na manutenção da dupla. Aliando-se a tudo isso, o Vasco ainda conta, principalmente, com as boas atuações do goleiro Thiago Rodrigues. No total foram apenas três gols sofridos em oito jogos.

+ O Vasco deve se preocupar? Como a 777 Partners agiu no primeiro rebaixamento do Genoa em 15 anos

É evidente que não é hora de fazer testes. Porém, jogadores como Palacios e Riquelme já demonstraram capacidade de serem titulares e podem se tornar fundamentais, já que ambos possuem qualidade. O chileno incendeia quando entra no decorrer dos duelos. Inclusive, mostra que é capaz de dividir responsabilidades com o camisa 10 e diminuir a 'Nenependencia'.

Além disso, Figueiredo merece ser analisado no lugar de Raniel. A cria da base do Vasco tem sido fundamental na equipe, devido as suas características como explosão, velocidade e boa finalização. Já o camisa 9 pouco se movimenta, conta com o oportunismo e está há quatro jogos sem marcar. Ao todo são seis gols em oito jogos, sendo que as três vitórias do Cruz-Maltino foram por 1 a 0.

Enquanto a mudança não acontece, o que resta ao torcedor é continuar externando sua paixão ao apoiar. Afinal, este foi o principal combustível que assegurou uma vaga no G4, da Série B do Campeonato Brasileiro, desde a sétima rodada.