Vasco x Villa Nova

Vasco estreou na Série B do Campeonato Brasileiro contra o Vila Nova, na última sexta (Daniel RAMALHO/VASCO)

Felippe Rocha
13/04/2022
07:30
Rio de Janeiro (RJ)

Empatado com o Brasil-RS, o Vasco teve a segunda pior defesa da Série B do Campeonato Brasileiro do ano passado. Foram 52 gols sofridos em 38 jogos. Para evitar este e outros problemas, muita coisa mudou na equipe. Mas logo no primeiro jogo desta edição, contra o Vila Nova, um tormento da torcida na temporada passada se repetiu: a bola parada defensiva. Ainda é início de competição, mas se ela é por pontos corridos, cada vacilo pode custar caro.

- Foi frustrante esse gol. É um gol que não costumamos tomar. Estávamos bem postados na área. Acabou que, numa falha geral, o Artur estava sozinho e conseguiu fazer o gol. Então é realmente frustrante. Ficamos chateados por tomar um gol tão bobo. Não pode acontecer. Ainda mais numa competição tão difícil, fazer o gol com oito minutos e, logo em seguida, levar o gol de empate. Isso aí não pode acontecer de forma alguma. Tem que ser difícil tomarmos gol, principalmente em casa, com a torcida nos apoiando - entende Yuru Lara.

O volante disputou a Série B do ano passado, mas pelo CSA, que teve campanha positiva. Por isso analisa que os pontos não obtidos em São Januário, na última sexta-feira, precisam ser recuperados neste sábado, mesmo que fora de casa.

- O jogo, realmente, não foi como esperávamos. Em certo momento nós perdemos o controle, mas, agora, não tem muito o que fazer. É trabalhar, colocar a cabeça no lugar e corrigir os erros para que eles não se repitam contra o CRB - analisa.

-> Confira a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

O próprio técnico Zé Ricardo entende que as bolas paradas são decisivas na segunda divisão nacional. No tal jogo contra o Vila Nova, os gols das duas equipes foram marcados desta forma.

Os problemas e a relevância deles são sabidos. Resta corrigi-los.