Reunião Vasco da Gama

Votação virtual  entre sócios aprovou eleições diretas para a presidência do Vasco (Foto: Luiza Sá/ Lancepress!)

LANCE!
31/08/2020
16:17
Rio de Janeiro (RJ)

A Assembleia Geral Extraordinária realizada no Vasco no último domingo, segue gerando polêmica nos bastidores. A votação virtual aprovou a mudança no estatuto do Cruz-Maltino para a adoção de eleições diretas para a presidência, mas vem sendo apontada como ilegítima por outros poderes do clube. Os presidentes do Conselho de Beneméritos (Roberto Monteiro), do Conselho Fiscal (Edmilson Valentim) e do Conselho Deliberativo (Sílvio Godói) alegam falhas no rito de convocação da AGE, por parte de Faues Cherene Jassus, o Mussa, presidente da Assembleia Geral.

Em nota divulgada nesta segunda-feira, os presidentes de três dos cinco  poderes do Vasco citam "erros crassos que vem, sistematicamente, sendo praticados" por Mussa  e lamentam o  "nascimento de mais um processo eleitoral nulo".

O resultado da AGE ainda precisa  de um aval da Justiça para ser validado. No último sábado, o TJ-RJ suspendeu os efeitos da AGE, durante o plantão judiciário, até que o relator competente julgue o caso. 

Nota na íntegra:

Nota Conjunta dos Presidentes do Conselho de Beneméritos, do Conselho Fiscal e do Conselho Deliberativo do CRVG sobre o “Edital de Convocação” da Junta Deliberativa que nos foi enviado pelo presidente da Assembleia Geral, para início dos trabalhos, na data de hoje, do processo eleitoral referente às eleições de 2020.

Prezados sócios do CRVG, lamentamos vir a público para, mais uma vez, apontar os erros crassos que vem, sistematicamente, sendo praticados pelo presidente da Assembleia Geral na formação dos ritos estatutários.
Estamos assistindo ao nascimento de mais um processo eleitoral nulo pela incompetência e incapacidade de condução do mesmo, por parte do presidente da AG.

Destacamos para isso, primeiro, o fato do referido “edital” não mencionar o Artigo Estatutário que tem como finalidade reunir a Junta Deliberativa, conforme descrito no Artigo 61 do Estatuto Social do CRVG.

Surpreende o fato de o tal “edital” fazer menção ao Artigo 15 do Regimento Interno da Assembleia Geral (RIAG) que trata de Assembleia Geral Extraordinária e não de Assembleia Geral Ordinária.

Adicione-se a isto a omissão de não fazer referência aos objetivos da Junta Deliberativa de definir a lista de sócios ELEGÍVEIS, bem como, de ELEITORES, nesse caso em função do RIAG.

Chega a ser cômico, o patético “copia e cola”, no qual pede e repete requerimentos feitos para a A.G.E., aos quais a Junta já tem acesso às informações desde 2015, principalmente quanto aos sócios que ingressaram de 20 de Janeiro de 2018 até a data de 30 de junho de 2020, restando tão somente julho e agosto deste ano ou até a expedição do “edital” (28 de Agosto de 2020) e neste caso não menciona nenhum artigo do Estatuto que fundamente esse entendimento surreal e de onde tirou esta conclusão despropositada.

Esquece ainda que a chamada “data de corte” é definida pela Junta Deliberativa, com base nas disposições estatutárias.
Enfim, começamos o processo eleitoral fundamental para o Vasco onde o presidente da AG, e seus assessores demonstram falta de respeito e conhecimento do Estatuto Social, dando mostras de não ter capacidade para estar à frente de um processo eleitoral do CRVG.

Roberto Monteiro - Presidente do Conselho Deliberativo

Sílvio Godói - Presidente do Conselho de Beneméritos

Edmilson Valentim - Presidente do Conselho Fiscal"