Juninho Vasco

Juninho teve a primeira chance como titular com Ramon (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

LANCE!
03/09/2020
17:08
Rio de Janeiro (RJ)

Reintegrado ao elenco vascaíno no início de agosto depois de uma renovação de contrato atribulada, o meia Juninho teve a primeira chance como titular com o técnico Ramon. O jogador de 19 anos iniciou a partida contra o Santos, na Vila Belmiro, que terminou empatada em 2 a 2, na última quarta-feira. O Vasco atuou com oito desfalques e o resultado foi considerado pelo grupo. Para Juninho, a união dos atletas e o entendimento das orientações do técnico têm feito a diferença.

– Nosso time está muito fechado, muito unido, todo mundo confiando um no outro, e isso tem sido a principal força do nosso grupo. Estamos fechados com o Ramon, com a comissão técnica, todo mundo no mesmo pensamento de buscar o título brasileiro. A torcida pode esperar grandes coisas do Vasco. Me senti muito feliz em poder atuar como titular e ajudar.  Dei o meu melhor, correndo, marcando, tentando chegar na frente. Só tenho a agradecer a Deus e ao Ramon pela oportunidade. Espero evoluir cada vez mais  – disse Juninho.

Cria da Colina, Juninho se destacou na base pela velocidade, bom poder de marcação e os chutes de longa distância. No início do ano, chamou a atenção do então treinador Abel Braga e teve as primeiras chances na equipe principal. Resolvidas as pendências contratuais espera ter o mesmo sucesso como profissional agora com Ramon.

O atleta chegou ao Vasco para a categoria sub-15, em 2016, após passagens por Flamengo e Volta Redonda. Antes de se tornar jogador, o jovem de Comendador Soares (em Nova Iguaçu-RJ) vendeu bala no sinal, doces nos ônibus e DVD na rua. Ficou conhecido por comemorar gols tapando um dos olhos em homenagem ao irmão Matheus, de 7 anos. O pequeno perdeu um dos olhos devido a um câncer.

Juninho ainda é dúvida para a partida contra o Athletico-PR, no próximo domingo, em São Januário. Após o jogo na Vila Belmiro, ele usou as redes sociais para avisar que havia sentido uma lesão. O camisa 50 ainda será avaliado pelo Departamento Médico. Para este jogo, ele aposta na força da equipe atuando em casa.

– Mesmo não tendo torcida é importante jogar em casa. A gente conhece bem o campo, conhece cada centímetro dele. Por isso, é importante e faz a diferença jogar em São Januário. Mesmo não tendo o torcedor na arquibancada, a gente consegue sentir a presença de cada um deles nos apoiando – concluiu.