Fellipe Bastos Vasco

Fellipe Bastos terminou a temporada com 15 jogos e um gol marcado (Rafael Ribeiro/Vasco)

Arthur Faria e Felippe Rocha
12/12/2019
13:02
Santos (SP)

Quando contratado, Fellipe Bastos desagradou parte considerável da torcida do Vasco. O tempo passou, o volante acabou jogando pouco (15 jogos), marcou um gol e acabou se tornando o reserva imediato para a função de primeiro volante. Neste dezembro, o vínculo do meio-campista termina também com o Corinthians, clube do qual foi emprestado. Com o mercado já agitado, ele afirma que poderia até reduzir o salário par continuar em São Januário.

- Sei as dificuldades que o vasco passa hoje, financeiramente falando. Sabemos também que o clube está se reestruturando. É lógico que, se precisar desse esforço, eu vou fazer, sim. É onde me sinto bem, em casa, não preciso mudar algumas coisas que já conquistei no clube. Agora é esperar para que as coisas se resolvam. Se tiver que ficar, vou ficar feliz - declarou Fellipe Bastos após partida beneficente do ex-zagueiro Narciso, na Vila Belmiro, em Santos (SP).

A redução salarial que viabilizaria a continuidade do volante no Vasco tem explicação. Dono de um salário considerado alto no Corinthians, Bastos tinha somente 30% dos vencimentos pagos pelo clube cruz-maltino. Aos 29 anos, ele é torcedor declarado do clube carioca.

- Tenho uma identificação muito grande com o Vasco. É um clube que me abriu as portas no Brasil, sou realmente torcedor, gosto, mas preciso prezar meu lado profissional e ver as melhores condições para mim também - ponderou.

Para a posição de volante, o Vasco tem algumas garantias para 2020: Raul, Bruno Gomes, Andrey e Marcos Júnior têm contrato. Contratado a pedido de Vanderlei Luxemburgo, Richard (também cedido pelo Corinthians) tem futuro ainda indefinido.

placeholder