AGE Vasco

Vasco está respaldado no estatuto para constituir uma SAF (Foto: Matheus Guimarães/LANCE!)

Matheus Guimarães
01/05/2022
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Os sócios do Vasco aprovaram, neste sábado, na sede do Calabouço, a inclusão da SAF no estatuto do clube, com 3.260 votos a favor. Agora, o Cruz-Maltino aguarda euforicamente a proposta vinculante da 777 Partners, para deliberar a venda do futebol do clube. Mas quais os próximos passos? O LANCE! explica detalhadamente o que está por vir.

Proposta vinculante da 777 Partners
Após a aprovação de 77,44% dos votantes, o Gigante da Colina pode prever em seu estatuto a constituição da SAF. O momento é de ansiedade e espera, tendo em vista que o prazo das diligências (due diligence), que estão sendo feitas pela empresa norte-americana, se encerra somente na terceira semana de maio. Depois, o Vasco aguarda a oferta dos americanos.

Segunda votação no Conselho Deliberativo
A partir disso, os conselheiros do clube deliberarão sobre a proposta. Ou seja, a comissão e os poderes do Cruz-Maltino vão avaliar, bem como ocorreu na primeira etapa de todo o processo.

Vale ressaltar que, mesmo com a rejeição no pleito, será marcada uma nova Assembleia Geral, visto que o sócio definirá o destino do futebol do clube. Porém, a expectativa é que a segunda reunião do Conselho tenha um resultado positivo como a primeira.

Etapa final
Diante de uma proposta concreta, o sócio vascaíno, apto a votar, definirá o futuro do Gigante. Carlos Osório, primeiro vice-presidente do Vasco, definiu a próxima Assembleia Geral como um ato democrático.

- No momento em que ela chegar (proposta vinculante), será tratada pelos poderes dos clubes, de acordo com o rito preestabelecido, para em última instância, o associado sobre uma proposta concreta, dizer sim ou não para o futuro do nosso clube. No Vasco, quem decide, quem dá a palavra final é o associado e assim que tem que ser. Essa é a maneira mais democrática. É um voto de confiança no futuro do Vasco da Gama - comentou Osório sobre a continuidade do processo.

São Januário
São Januário, um dos maiores motivos de orgulho de todo vascaíno, é um ponto que o torcedor está desconfiado. No entanto, o estádio não será vendido juntamente ao futebol do clube. E sim, continuará a ser uma propriedade do Clube de Regatas Vasco da Gama.

Em verdade, o Vasco - como associação - vai alugar para a 777 Partners, que terá o direito de uso, além da responsabilidade de cuidar da manutenção e preservar o Complexo de São Januário.

- O que nós temos é um memorando de entendimentos, que baliza a negociação. Porém, ainda não temos a proposta vinculante. O Vasco da Gama decidiu, discutiu e aprovou nas negociações com a 777, que São Januário permanecerá propriedade do Clube de Regatas Vasco da Gama. É assim que está no memorando de entendimentos e é assim que virá na proposta vinculante - afirmou o vice-presidente, que emendou justificando a decisão do estádio permanecer com a associação:

- O Vasco entende que São Januário foi construído numa jornada histórica, pelos vascaínos e entende que a propriedade de São Januário e de todas as suas sedes deve permanecer de posse do clube. Aprovada a SAF, ela terá o direito de uso do estádio, através do contrato de locação, a responsabilidade de manutenção e não apenas do estádio, de como também de todo o Complexo de São Januário.