Sam Querrey

Divulgação AELTC

TÊNIS NEWS
04/01/2021
15:57
Delray Beach (EUA)

O tenista americano Sam Querrey explicou, ao site da Sports Illustrated, os motivos pelos quais o levaram a fretar um jatinho e levar ele e sua família de volta aos EUA após testes positivos de COVID-19 durante o ATP 500 de São Petersburgo, na Rússia.

O tenista recebeu uma multa de US$ 20 mil que pode ser abonada se não cometer mais erros nos protocolos contra a doença durante os próximos seis meses.

"Desde que o tênis começou no US Open, essencialmente houve uma ou duas pessoas que testaram positivo para COVID-19 em todos os torneios, e essas pessoas ficariam de quarentena no hotel do torneio pelo que pareceram 10-14 dias, seja qual for o local regra era, e então você seguiria seu caminho alegre.

Então, para mim, quando eu estava jogando em São Petersburgo, (minha esposa, meu filho e eu) chegamos na quarta-feira anterior, à noite. Levantamos quinta-feira de manhã, fomos fazer nossos testes COVID no hotel; recebemos os testes de volta mais tarde naquele dia, tivemos resultados negativos (e nos disseram): “Volte quatro dias depois para fazer outro teste.”

"Então, no domingo antes do início do torneio, minha esposa e eu descemos e fizemos outro teste COVID. Eu fui treinar; ela ficou no quarto com o bebê. Domingo à tarde, recebi um telefonema da organizadora dos testes COVID. 'Ei, você e sua esposa testaram positivo, você pode descer e fazer outro teste para se certificar de que é positivo.' Sem problemas. Descemos as escadas, fazemos outro teste e voltamos para o quarto.

Ela liga de volta algumas horas depois. “Ei, vocês testaram positivo. Por favor, fique no quarto. Alguém vai entrar em contato com você. ” Eu sei que esse é o risco e as regras, e não tivemos nenhum problema com isso. Um representante da ATP entrou em contato. “Ei, garanta que vocês fiquem no quarto, peça serviço de quarto. Vocês precisam de alguma coisa? ” Então é uma merda, como eu disse, mas esse é o plano, então estamos fazendo isso. Colocamos em quarentena por dois dias apenas recebendo serviço de quarto, eles trouxeram caixas de entrega para viagem, colocando lençóis novos do lado de fora, não parece um grande problema. Vamos ficar em quarentena lá por duas semanas e nos sentimos seguros, estamos no hotel do torneio, está tudo bem.

Então, dois dias depois, por volta das 20h, recebi um telefonema de um dos supervisores do ATP. “Ei, vocês não são mais bem-vindos para ficar no hotel. E dois médicos virão ao seu quarto, um para você e sua esposa, e um pediatra para seu bebê. E eles vão determinar se você é sintomático ou não, e se você é sintomático, vocês três vão para um hospital por no mínimo duas semanas.”

"E eu estava no viva-voz, então minha esposa começou a entrar em pânico. Obviamente não estou feliz com isso, porque nos sentimos seguros no hotel do torneio. Agora, temos dois médicos aleatórios vindo? Quem são os médicos? Não tenho ideia de com quem eles estão, em que hospital estão, o que está acontecendo. E não consegui obter nenhuma resposta.

Além disso, nosso filho tem sete meses na época, está com os dentes nascendo e um pouco de febre mesmo assim. E então eu não sabia se os médicos iriam determinar que ele tem febre, ele é sintomático. "Eles vão levar apenas o bebê para um hospital diferente daquele para o qual íamos ir?" E ninguém respondeu a essas perguntas para mim. Ninguém poderia dizer: “Oh, vocês com certeza vão ficar juntos”, ou algo assim.

Então, naquele momento, me senti muito desconfortável. E sem falar que eram 22h à noite, então eu disse ao supervisor da excursão: “Ei, não vou permitir que os médicos entrem no meu quarto às 22h no domingo. O bebê está dormindo. Também não temos essencialmente sintomas. Estamos todos bem. ” E então, nesse ponto, chamei (meu empresário] John Tobias e entramos em contato com o ATP para obter algumas respostas e ajuda. Eu disse: "Ei, nos sentimos muito vulneráveis, é muito desconfortável. Está nas mãos desses médicos russos, e eles vão determinar se vamos ou não para um hospital na Rússia por duas semanas ?"

Mais uma vez, estávamos muito felizes no hotel. Estávamos nos distanciando. Não estávamos perto de ninguém, estávamos hospedados no quarto e nunca tivemos uma reclamação ou problema. Então eu disse: “Por favor, peça aos médicos que venham na manhã seguinte às 10h, não no domingo à noite às 22h”. A ATP finalmente concordou com isso, e porque ainda iríamos obter ajuda da ATP, da embaixada. Mas eu meio que tive que tomar uma decisão entre as 22h e 10h do dia seguinte. Minha esposa estava lá, e meu bebê estava lá, e como uma decisão humana, eu pensei, "Ei, eu não me sinto confortável com isso." Portanto, tomamos a decisão de alugar um avião e partir", relatou Querrey que seguiu.



"Eu digo a essas pessoas, meu plano inicial era jogar o Aberto da França, então São Petersburgo, Colônia, Viena, Paris, então seria uma viagem de sete a oito semanas. Nós temos um bebê e eu não queria ficar longe da minha esposa e filho por tanto tempo; eles não queriam ficar longe de mim por tanto tempo, então eles vieram. E sabíamos que havia o risco de contrair COVID, e que a regra seria colocar em quarentena no hotel, e estávamos bem com isso. Não é como se fôssemos as únicas pessoas. Eu não fui o único a trazer uma esposa e um bebê. Outros jogadores trouxeram suas esposas e filhos também. É assim que o tênis funciona."



O tenista contou como alugou um jatinho: "Contactei um rapaz que aluga jato e disse 'posso conseguir um avião daqui a nove horas de São Peterburgo para Londres ? E ele conseguiu um para mim. Saímos do hotel cedo pela manhã para que não pudéssemos ser vistos, fomos ao terminal privado de São Petersburgo e voamos para Londres. Nós usamos máscaras eu e minha esposa, as N-95, nunca abaixamos ela e comemos um pouco de comida e um pouco de água. Fui ao airbnb quando pousamos, alugamos um aprtamento para quarentenar por 14 ddias. Eu senti como pai e marido que tinha um elemento humano nisso e tinha que fazer o que achasse que fosse o certo. Eu não deixaria minha família ir para um hospital por no mínimo duas semanas onde estávamos. Na minha opinião não colocamos ninguém sob risco, cuidamos de nós, com máscaras,fizemos todo o possível para minimizar a exposição na viagem e francamente fizemos um bom trabalho. Foi uma semana nada lucrativa, tive que gastar US$ 40 mil e ainda pagar por mais duas semanas em um apartamento em Londres."

Querrey disse que a ATP deixou nas mãos das autoridades russas e nas do jogador e que não poderia fazer nada. Disse ainda que ficou feliz por receber US$ 20 mil de multa ainda podendo ser abonada, mas lamentou os comentários e notícias negativas sobre a quebra do protocolo e a resolução da ATP que saiu no penúltimo dia de 2020.

Querrey disse ainda que teve apenas garganta inflamada, nariz escorrendo e que em três dias estava 100%.

O tenista se sente bem para disputar o ATP de Delray Beach que começa no dia 7 e desta vez não trouxe a família e nem trará mais.