José Carlos Peres

Diretoria moveu dinheiro da conta antes da Justiça congelar (Foto: Ivan Storti)

Gabriela Brino
20/08/2019
06:00
Santos (SP)

O Santos conseguiu driblar o congelamento de seus cofres após a advocacia Bonassa Bucher voltar a acionar o clube na justiça e bloquear os R$ 15 milhões da segunda parcela da venda de Rodrygo ao Real Madrid. A diretoria, junto do jurídico, moveu todo o montante que havia na conta para uma outra antes da Justiça oficializar o bloqueio.

Com o improviso, o clube conseguiu manter sua folha em dia e não voltou a atrasar salários, o que ocorreu em março deste ano. O técnico Jorge Sampaoli, inclusive, havia recusado seu pagamento enquanto o elenco não recebia.

A empresa prestou serviços no ano de 2017, quando Modesto Roma ainda presidia o Peixe, e atualmente cobra o clube por R$ 12.963.989 não pagos na época.
O presidente José Carlos Peres busca brecar a ação por meio de uma liminar na Justiça. 

Vale lembrar que o Santos investiu em reforços e contratou 14 atletas a pedido do técnico Jorge Sampaoli. Por conta disso, passa situação financeira delicada. Em contrapartida, ainda busca um volante e um substituto para Rodrygo.