Alexandre Mattos diz que trabalha para o Palmeiras ser protagonista sempre

Mattos cobra que se torne pública a conversa entre árbitros e cabine do VAR (Agência Palmeiras/Divulgação)

William Correia
31/03/2019
08:00
São Paulo (SP)

Rompido com a FPF (Federação de Paulista de Futebol) desde a final do Estadual do ano passado, o Palmeiras ouviu a entidade apontar que as reclamações em relação ao árbitro assistente de vídeo (VAR, em inglês) são por faltar a reuniões sobre o tema. Mas o clube argumenta que já mandou recomendações sobre o procedimento e foi ignorado.

- O Palmeiras não está indo lá por todas as situações, tem motivos, mas não precisa ficar falando que tem de ir para aprender. Mas uma das recomendações que fizemos no fim do ano era tornar público o que os árbitros falaram, para entendermos o que aconteceu, se alguém lá em cima falou 'não tenho dúvida, não foi pênalti, pode olhar' ou 'tem dúvida, não sei' - argumentou o diretor de futebol Alexandre Mattos, falando do pênalti inicialmente marcado sobre Dudu, e anulado depois com o auxílio do VAR.

O dirigente não citou nomes, mas apontou irritação com a declaração de Mauro Silva. O ex-volante, atual vice-presidente da FPF, disse depois do Conselho Técnico de quinta-feira, outro em que o Verdão esteve ausente, que quem esteve nas reuniões entendeu melhor o VAR.

- Fiz questão de escutar os especialistas, os comentaristas de arbitragem. Era um lance interpretativo, está claro. Por ser interpretativo, não seria necessário chamar o VAR. Nesta semana, fomos até um pouco ironizados, porque não fomos lá, não aprendemos... Ainda bem. Se fôssemos lá, talvez, aprenderíamos errado - indicou Mattos, defendendo a postura palmeirense.

- Quando dirigente vai falar sobre polêmica, tem massacre de que está desviando foco. Não tem ninguém desviando o foco. Sabemos os problemas que temos, mas não vou ser estúpido de vir aqui e publicamente ficar debatendo se precisamos melhorar individual, tecnicamente, taticamente, coletivamente. É uma situação interna que temos discutido sempre. Só friso isso para não dizer que estamos desviando o foco.

Em relação à FPF, o Palmeiras, depois de contestar decisões do VAR no jogo de ida das quartas de final, contra o Novorizontino, usou as suas redes sociais para chamar o Estadual de "Paulistinha", como o presidente Mauricio Galiotte já tinha feito após perder a final de 2018, acusando uma interferência externa ilegal na arbitragem. E a postura do Verdão não deve mudar.

- O Palmeiras faz as sua manifestações de acordo como o Palmeiras é tratado e respeitado. E sempre tem alguma situação de desconforto. Mas vamos fazer sempre dentro de campo o nosso melhor, respeitando a camisa, toda vez que o Palmeiras jogar, seja o esporte ou o campeonato que for. É o que tentamos fazer. Vamos tentar buscar o título - afirmou Mattos.