Willian participou da festa de entrega da taça do Brasileiro mesmo já com o joelho machucado

Willian participou da festa de entrega da taça do Brasileiro no Allianz mesmo já com joelho machucado (Divulgação)

William Correia
14/12/2018
08:00
São Paulo (SP)

Daqui uma semana, na próxima sexta-feira, Willian operará o joelho direito. O jogador sofreu uma entorse que causou lesão no ligamento cruzado anterior, o que o deixará fora dos campos por, ao menos, seis meses. Mas nada o faz diminuir a representatividade do que considera ter sido a melhor temporada de sua carreira, aos 32 anos. Até mesmo o momento da lesão, dando o passe para Deyverson fazer o gol que garantiu o título brasileiro, valeu a pena.

- Foi a primeira coisa que pensei: valeu a pena. Por todo esforço que tivemos durante o ano. Não foi somente o passe do gol, mas toda entrega durante o ano. Não só o físico, mas a cabeça boa para superar tudo isso e conseguimos coroar com esse título tão importante. É isso que temos de valorizar - comentou o atacante.

- Este ano foi melhor ainda do que no ano passado. Consegui coroar com um título e, sem dúvida, isso é bem marcante. Foram 68 jogos no ano, tendo uma regularidade boa, como venho buscando, sendo uma peça importante para a equipe, conquistar o quarto título da carreira, décimo do clube. Sem dúvida, vivo hoje o meu melhor momento.

Antes da cirurgia, Willian tem curtido as férias. Foi para Trancoso, no litoral baiano, no casamento do diretor de futebol Alexandre Mattos, na semana passada, e já embarcou com a família para os Estados Unidos. Desfrutando um ano no qual valoriza, inclusive, a renovação de seu contrato com o Palmeiras até 2021. E sem ressaltar demais o seu esforço na assistência para Deyverson fazer 1 a 0 diante do Vasco, assegurando o título brasileiro no último dia 25.

- Fiz todo o esforço, mas nunca imaginei que iria me machucar e nem quero sair como herói. Estiquei a perna ao máximo e foi um belo passe, realmente, para concretizar o gol do título. Infelizmente, logo que apoiei o pé no chão, tive a torção e a lesão. Paciência. No dia em que recebi a notícia, não tem como, chorei, fiquei triste. Porém, tem de lembrar também das coisas boas. Foi um ano maravilhoso: campeão brasileiro, renovei contrato... - comentou.

- Temos de valorizar o título. Realmente, foi um ano muito bom. É claro que eu não queria terminar lesionado, porém sei que faz parte. Fico tranquilo, estou em boas mãos, em um baita clube, com grandes profissionais. Agora é operar, ter uma cirurgia de sucesso e, no ano que vem, voltar mais forte ainda.