Felipe Melo Gustavo Gómez Vanderlei Luxemburgo Palmeiras

Luxa diz que Felipe Melo na zaga ajudou até na evolução de Gustavo Gómez (Foto: Agência Palmeiras/Divulgação)

William Correia
10/06/2020
08:00
São Paulo (SP)

Até a pausa da competição por conta da pandemia do coronavírus, o Palmeiras ostentava a melhor defesa do Campeonato Paulista, levando quatro gols em dez jogos (igual ao Novorizontino). O time ainda não teve suas redes balançadas em dois compromissos na Libertadores, com uma média de 0,33 gol sofrido por partida oficial na temporada. E Vanderlei Luxemburgo explicou ao LANCE! o posicionamento de três atletas titulares do setor.

O técnico destaca a importância de ter recuado Felipe Melo para a zaga em 2020. Em sua visão, a nova posição do antigo volante, que virou também capitão, e a contratação do lateral-esquerdo Matías Viña melhoraram o futebol de Gustavo Gómez, que já tinha aparecido na seleção da Bola de Prata, da ESPN, do último Campeonato Brasileiro - no qual o Verdão teve a segunda melhor defesa, com 32 gols sofridos, dois a mais do que o São Paulo.

- Para se ter ideia de quanto é importante a presença de um jogador como o Felipe Melo ali, o que o Gustavo cresceu de produção é uma coisa significativa. E com o Viña ali, que dá consistência na marcação, não precisa o Gustavo sair toda hora na cobertura do lateral, como ele tinha que se preocupar. Agora, não. Cada um tem sua posição e responsabilidade. E o Gustavo cresceu demais - analisou Luxemburgo, destacando o potencial físico de Viña.

- A transição ofensiva e defensiva do Viña é um negócio impressionante. Ele é um dos nossos jogadores mais intensos. Corre de 10 a 11 km por jogo, e faz 15% de trabalho de alta intensidade no jogo. Chega a 32 km/h, 35 km/h. O uruguaio é danado, cara - sorriu o treinador.

Matías Viña teve sua contratação aprovada por Luxemburgo exatamente por sua velocidade, tanto para atacar quanto para recompor a defesa. Por isso, em 31 de janeiro, o Verdão ficou com 50% dos direitos do lateral-esquerdo, campeão e eleito o craque do Campeonato Uruguaio de 2019 pelo Nacional, por cerca de 3,5 milhões de euros (R$ 16,6 milhões, na época).

A intensidade, com frequentes ações de alta velocidade nos jogos, é a principal diferença que Luxemburgo enxerga no futebol atual, como relatou em entrevista exclusiva ao LANCE! Por ver características similares à de Viña, o técnico aprovou também a busca por Daniel Muñoz, do Atlético Nacional, da Colômbia, mas não houve acerto e o lateral-direito foi para a Bélgica.

Por enquanto, a lateral direita tem Marcos Rocha como titular, mas o camisa 2 teve problemas físicos antes da pausa da temporada, assim como Mayke, seu reserva, e o volante Gabriel Menino atuou como titular na posição. Mas, dentro do que enxerga na defesa, Luxemburgo gosta de ressaltar a capacidade de Felipe Melo, que, para ele, mantém o espírito ofensivo do time como zagueiro.

- Trazer o Felipe Melo para trás nada mais é do que ter um jogador de qualidade atrás, achatando o time. Quando você perde a bola, se essa bola voltar nele, ele começa o jogo com qualidade - elogiou Luxemburgo, explicando que o camisa 30 costuma atuar na linha do meio-campo, ajudando o Palmeiras a pressionar o adversário e se manter no campo rival.

- Se você traz o Felipe Melo para a zaga e adianta as linhas, para ter o zagueiro jogando em cima da linha do meio-campo, quando o adversário fecha, a bola bate e volta no Felipe Melo sem precisar voltar para o goleiro. Ele acha alguém na frente, com passe longo ou curto, e continuamos em cima - explicou.