Arthur Nory

Nory teve torcida contra ele nesses Jogos Olímpicos (Foto: Reprodução/TV Globo)

LANCE!
24/07/2021
09:50
Tóquio (JAP)

Arthur Nory, com evidência nacional por conta dos Jogos Olímpicos, viu mais uma vez suas redes sociais viralizarem negativamente. A maioria dos comentários relembram o ato racista que o ginasta cometeu em 2015. Mesmo sendo o campeão mundial de barra fixa, o atleta já se despediu por conta de apresentação abaixo da média no aparelho. Depois de se tornar um dos assuntos mais comentados da internet, Nory não culpou as ofensas sofridas nos últimos dias, mas desabafou:

- Eu tive muito medo, fiquei muito acuado para tudo. Eu estou abrindo meu coração de verdade. Tudo o que aconteceu na minha história desde o episódio de racismo de 2015, que vem à tona sempre que eu apareço. Então é um processo de amadurecimento diário, de entender e melhorar. A gente tem que buscar esses erros e melhorar. Assim como no esporte. Mas, no esporte, essa chance é só de quatro em quatro anos. Mas é aprender com isso e melhorar. Para Paris, fazer diferente - comentou, em entrevista ao repórter Carlos Gil.

+Em jogo eletrizante, Brasil e Holanda ficam no empate e se aproximam do mata-mata dos Jogos Olímpicos

Arthur Nory justificou rendimento ruim, falando sobre os meses em que tem sofrido com depressão e burnout, síndrome de esgotamento mental por conta do trabalho.

- Foi ano difícil, tive burnout, depressão, tive que parar um tempo, voltar, focar na barra. E estou aqui em mais uma Olimpíada. Atleta, ser humano, a gente erra. Treinei bastante, foi um ano complicado, mas eu me entreguei. Fui até o fim brigando, ajudando a equipe no que eu podia - disse Nory, que também acabou caindo no solo.

Em 2015, o ato racista de atleta contra o também ginasta Angelo Assumpção foi visto como brincadeira por Nory, a fim de minimizar o ocorrido. Mas só depois de anos ele voltou a falar sobre o ocorrido e disse se envergonhar da cena.
Comentarista da TV Globo, Daiane dos Santos se posicionou sobre a atitude de Nory.

- Sempre é uma situação complicada. O ato quando aconteceu realmente foi um ato muito difícil. A gente fala coisas que a gente não pensa a repercussão. Como isso vai ecoar lá na frente. As pessoas que a gente vai atingir. Isso não é uma brincadeira. O Nory acho que tem tentado se reciclar, tem tentado trabalhar isso dentro dele. É importante não só ele fazer isso, mas as pessoas no geral entenderem que atos e situações como essas não devem ser praticados nunca. É muito importante falar tanto de racismo estrutural. É justamente essas questões que a gente acha que parece uma brincadeira, que é engraçado. Eu falo: “É engraçado para quem?” Não é engraçado. Realmente ele tem passado por essa fase de reciclagem. Acho que ele tem tentado de alguma forma reverter essa situação - disse a campeã mundial do solo.

+ Zanetti na final, Arthur Nory e Felipe Wu decepcionam… Veja o resumo do dia dos Jogos Olímpicos

Nas redes sociais ele comentou sobre jornada na tentativa de melhorar e mandou indireta para os usuários que torceram contra ele:

- Errei e erros acontecem pra quem é ser humano. Na vida e no esporte.
Assumo toda responsabilidade. É doído, é complicado, mas vem como um aprendizado. Aprendendo todos os dias a ser uma pessoa melhor e poder inspirar outras pessoas. Ser resiliente pra aguentar a pressão dentro e fora do ginásio. Me superar todos os dias, as dores, ficar longe de casa, as críticas, os linchamentos e colocar a cara a tapa, de frente. Hoje sem medo, sem medo de falar, sem medo de assumir, sem medo me perdoar, sem medo de me amar.
Para os que comemoram o fracasso alheio, meu desejo de que evoluam. (como vi muitos aqui). Foi um dia de aprendizado e vontade de querer estar mais e mais. Aos que torcem por mim, muito obrigado.

+ Veja abaixo o quadro de medalha atualizado em tempo real