Scheidt velejou com regularidade e subiu para oitavo lugar

Scheidt está perto da medal race (Cecilia Yoshizawa / Divulgação)

LANCE!
20/08/2019
15:51
Enoshima (JAP)

Após dois dias com problemas, Robert Scheidt conseguiu velejar de forma consistente e, agora, está perto de conquistar uma vaga no medal race da Ready Steady Tokyo, que acontece na próxima quinta-feira. Neste terça, em Enoshima, no Japão, o bicampeão olímpico velejou entre os dez melhores e cruzou a linha de chegada em 5º e 7º lugares. Assim, subiu para o oitavo lugar na classificação geral do evento-teste para os Jogos Olímpicos de Tóqui-2020, com 68 pontos perdidos.

Para garantir o direito de disputar a regata da medalha, Scheidt precisa manter a regularidade nas duas últimas provas da fase de classificação, marcadas para esta quarta-feira.

- Após duas penalidades e ser obrigado a me retirar ontem (segunda-feira), consegui reagir e fazer duas boas regatas e subi na tabela geral. Amanhã (quarta) teremos um dia importante, mas a velocidade do barco está boa. Todo mundo já teve pelo menos uma regata ruim aqui no Japão, com altos e baixos, e vou dar o meu melhor para seguir velejando com regularidade - disse Robert Scheidt.

Quando fala em altos e baixos, Robert cita os seguidos problemas que viveu com a juria em Enoshima. No domingo, levou uma bandeira amarela pela regra 42, na qual os juízes entendem que o velejador usou o movimento do corpo para aumentar a velocidade do barco, ação conhecida por bombear. No dia seguinte, voltou a ser penalizado pelo mesmo motivo e foi obrigado a se retirar da última de três regatas.

- Fiquei bem chateado, especialmente na segunda-feira, quando estava velejando de forma super conservadora. Ainda preciso entender melhor em que ponto o júri está interpretando o regulamento e o que preciso mudar para isso não ocorrer mais, pois nas outras três competições, desde que voltei à classe Laser, não havia passado por isso - finalizou o velejador.

Scheidt está classificado para os Jogos de Tóquio e é o único brasileiro entre os 35 barcos que disputam o evento-teste em Enoshima. Porém, ainda precisa esperar a convocação final para a delegação brasileira para confirmar presença na Olimpíada de 2020. De acordo com o critério da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), ele só perde a vaga se outro atleta do Brasil subir ao pódio no Mundial da Laser em 2020.