Daniel Dias (Foto: Ale Cabral/CPB)

Daniel Dias comemorou medalha nos 50m costas, a 28º de ouro em Jogos Parapan-Americanos (Foto: Ale Cabral/CPB)

Jonas Moura
25/08/2019
22:57
Enviado Especial a Lima (PER)*

Principais astros da delegação brasileira nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, Daniel Dias e Petrúcio Ferreira confirmaram o favoritismo em suas primeiras provas e faturaram a medalha de ouro neste domingo. O país somou 38 pódios, disparou na liderança no quadro geral e fechou o dia com 78, sendo 27 de ouro, 22 de prata e 29 de bronze. Os Estados Unidos aparecem em segundo, com 47 (18 ouros, 15 pratas e 14 bronzes). O México é o terceiro.

O nadador chegou ao seu 28º ouro na história do evento ao triunfar na prova dos 50m costas classe S5. Ele completou a distância com o tempo de 36s79, à frente do mexicano Oscar Resendiz (45s56), que ficou com a prata, e do colombiano Miguel Narcaez (45s80), que levou o bronze. 

- Estou feliz. Mais uma medalha de ouro e mais uma conquista. Queria o recorde do campeonato (35s63), mas foi bom para entrar na competição bem. Era a primeira prova. É engraçado que a gente ainda fica nervoso - disse Daniel.

Afetado pelos novos critérios de classificação funcional, que o fizeram perder recordes mundiais devido à presença de atletas mais rápidos em sua categoria, ele mostrou que deve seguir soberano nas Américas. Os maiores oponentes estarão no Mundial de Londres, em setembro.

Daniel ainda nadará outras quatro provas em Lima: 50m livre, nesta segunda-feira, 100m livre, na quarta-feira, 50m borboleta, na quinta, e 200m livre, sexta.

Phelipe Rodrigues também confirmou a superioridade nas piscinas e ficou com o ouro nos 100m livre S10. A Argentina faturou prata e bronze. Na natação, o Brasil já totaliza 15 medalhas: cinco ouros, cinco pratas e cinco bronzes.

Petrúcio, por sua vez, foi o mais veloz nos 400m T47 do atletismo, com o tempo de 49s25 - o único a correr abaixo dos 50s em sua série. Ele, que é recordista mundial dos 100m e 200m livre, levou o ouro em uma distância que não é sua especialidade. A prata ficou com outro brasileiro, Thomaz Ruan, com 50s12. 

Edson Pinheiro (ouro nos 100m T38) e Rayane Soares (prata nos 100m T13) encerraram o dia para o Brasil. A modalidade já foi ao pódio 16 vezes na capital peruana. São oito medalhas de ouro, quatro de prata e quatro de bronze.

O Brasil conquistou a segunda vitoria do dia no rúgbi em cadeira de rodas. Após vencer a Argentina por 65 a 21, a Seleção bateu o Chile, por 76 a 13, no ginásio Villa El Salvador, e aguarda adversário na semifinal.

* O repórter viaja a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB)