Matéria exclusiva - Sergio Sette Câmara

Sérgio Sette Câmara é a novidade para a reta final da temporada da Fórmula E (Foto: Divulgação)

LANCE!
05/08/2020
07:05
Rio de Janeiro (RJ)

Se nos últimos anos o Brasil ficou sem um representante na Fórmula 1, a situação é diferente na Fórmula E, a categoria que mais evoluiu recentemente no cenário do automobilismo mundial e que será o novo desafio do jovem piloto Sérgio Sette Câmara, de 22 anos.

O mineiro, considerado uma das jovens promessas do automobilismo brasileiro, tenta dar um salto na carreira. Ele ingressou a Acadêmia de Pilotos da Red Bull Racing em 2016, deixou o programa alguns meses depois e retornou ao time austríaco este ano, como piloto reserva tanto da equipe principal na F1 quanto da Alpha Tauri.

Além de confirmar sua presença no paddock da F-1, o jovem também garantiu sua presença na Super Fórmula Japonesa e participou do teste para novatos da Fórmula E realizado em Marraquexe no início de março, já como piloto reserva da GEOX Dragon.

Foi justamente neste teste que Sette Câmara impressionou de vez o chefe do time norte americano, Jay Penske: o brasileiro foi o segundo mais rápido do dia, ficando atrás apenas do neozelandês Nick Cassidy, da Envision Virgin Racing. Na temporada atual, a Dragon é apenas a 11ª colocada no campeonato, de um total de 12 equipes.

As prioridades de Sérgio ainda são o posto de reserva na F1 e os compromissos de Super Fórmula, contratos anteriores à pandemia, mas a rodada tripla de Berlim não baterá com as agendas. O piloto participou de testes recentemente no simulador da Dragon, em preparação para as etapas decisivas.

Para alguns pilotos e especialistas na Fórmula E, o traçado do Aeroporto de Tempelhof é o cenário perfeito para os novatos na categoria, já que não é tão apertado quanto os circuitos de rua como Paris ou Nova York por exemplo.

Além disso, o formato dessa fase final da sexta temporada da categoria de carros elétricos pode favorecer Sette Câmara, afinal de contas, serão seis provas em nove dias, em um dos melhores e mais desafiante traçado da categoria. Uma ótima oportunidade para impressionar a todos.

- Acho que estrear em Berlim é uma vantagem para um novato na categoria, porque a gente vai estar no mesmo ambiente ali e vai ser possível dar uma continuidade ao aprendizado. Não será uma única corrida e sim, seis provas, com três rodadas duplas.

Até o momento, a GEOX Dragon conquistou apenas dois pontos no campeonato, com o neozelandês Brendon Hartley, que deixou o time para a chegada do brasileiro.

Correr ao lado de um herói

Como todo piloto, Sette Câmara teve seus ídolos na infância que o motivou a seguir carreira no automobilismo. E no caso dele, é o ex-F1 Felipe Massa, que inclusive estará na disputa dessa reta final da sexta temporada da Fórmula E em Berlim.

O jovem piloto brasileiro relembrou quando assistiu nas arquibancadas do Autódromo de Interlagos ao vice-campeonato mundial de Felipe Massa em 2008, quando o então piloto da Ferrari cruzou a linha de chegada em primeiro, mas viu o título escapar segundos depois quando Lewis Hamilton ultrapassou o alemão Timo Glock na última curva do circuito e conquistou a quinta colocação, posição suficiente para garantir o primeiro dos seis títulos do piloto britânico na F1.

- Eu estava em 2008 com meu pai e com meu avô na arquibancada, e na hora que o Massa passou e venceu aquela corrida emocionante que choveu e tal, todo mundo na arquibancada começou a gritar, acreditando que ele era o campeão. O autódromo inteiro gritava e para quem estava assistindo na televisão, foi possível perceber que ele não tinha ganhado, porque a câmera mudou para o Hamilton, e o narrador corrigiu a situação - afirmou o piloto.

- Quase dois minutos depois alguém falou no rádio que ele não tinha sido campeão, e aí demorou um pouco para acreditarmos naquilo e entender o que aconteceu, por que quem já assistiu corrida de Fórmula 1 no autódromo sabe que é uma confusão, principalmente naquela época que tinha aquele barulho danado né?

Para Sette Câmara, dividir o grid da Fórmula E com Massa, vai ser algo especial. 

- Ele [Massa] me inspirou muito, porque eu nunca imaginei que iria me profissionalizar como piloto, que um dia iria estar correndo e que essa ia ser a minha profissão. Sempre fui um fanático por corridas e assistia o Massa, que era um herói para mim naquela época. Um menino de dez anos de idade, por aí, com um piloto brasileiro na Fórmula 1, ele e o Rubinho [Barrichello] me inspiraram muito para seguir em frente nesse esporte.

- O Felipe é um cara que liderou o automobilismo brasileiro, e ainda lidera, junto com alguns outros pilotos, mas naquele ano lá na Ferrari, eu lembro de tudo, foi um cara que me motivou muito a seguir correndo, tanto ele quanto o Rubinho. Então, tenho uma admiração muito grande e poder compartilhar uma pista com alguém como ele é uma honra para mim - completou Sette Câmara.

Sérgio Sette Câmara será o sexto brasileiro a correr na Fórmula E. O Brasil conta com dois campeões em cinco temporadas já disputadas: Nelsinho Piquet foi o primeiro campeão da história da categoria em 2015, enquanto em 2017 foi a vez de Lucas di Grassi, ficar com o título.