(Foto: Reprodução)

Ricardo Carcacinha vai enfrentar o russo Zubaira Tukhugov em março (Foto: Reprodução/Instagram)

LANCE!
16/02/2021
12:45
Campinas (SP)

Por Mateus Machado

Com luta marcada diante de Zubaira Tukhugov no dia 13 de março, Ricardo Carcacinha inicia 2021 disposto a mudar o panorama do ano anterior. Por conta da pandemia da Covid-19, o brasileiro precisou adaptar completamente seus treinos, tendo em vista que a preparação para sua última luta, que aconteceu em julho do ano passado, ocorreu no período em que grande parte das academias precisaram ser fechadas. O lutador teve como única saída transformar a garagem de sua casa num espaço de treinos, e apesar do grande esforço, acabou sendo derrotado por Lerone Murphy ainda no primeiro round.

Carcacinha, no entanto, garante que a experiência trouxe importantes aprendizados para a sequência de sua carreira. Para o confronto diante de Tukhugov, o atleta vem se preparando na equipe I9 Combate, em Campinas (SP), já que, por conta de um problema no visto, não conseguiu ir para os Estados Unidos, onde costuma realizar suas preparações na Team Alpha Male, time comandado por Urijah Faber e que conta com nomes como Cody Garbrandt, Andre Fili, Josh Emmett, entre outras feras.

Com cinco vitórias em sete lutas na organização, o lutador de 25 anos busca emplacar uma sequência de vitórias no Ultimate, mas sabe que terá um duro desafio pela frente. Apesar do retrospecto recente ser irregular, Tukhugov é conhecido pelo bom poder de nocaute e um forte jogo agarrado. Além disso, o russo esteve no córner de Khabib Nurmagomedov no último combate, que aconteceu em outubro do ano passado, contra Justin Gaethje. Ciente das qualidades do oponente, Ricardo Carcacinha já tem em mente o que pretende fazer para derrotar Zubaira.

- Sei que vou ter que controlar a distância, também sei que ele gosta de entrar pra briga de início para depois intercalar com quedas, tentando controlar a luta depois de abrir vantagem. Não posso aceitar a malandragem dele, vou precisar ser mais malandro que ele (risos), porque deu para notar que ele faz um jogo psicológico durante a luta, é um cara que anda em linha, vai pra cima, justamente para confundir e derrubar. Tenho que me defender e não permitir que ele faça esse jogo - analisou o atleta.

Ao longo da entrevista, Carcacinha contou detalhes de sua preparação para o combate e falou da importância do período de treinos que fez na Team Alpha Male. Ansioso para retornar à equipe, o jovem lutador também comentou sobre a convivência com o experiente Urijah Faber, que no auge de seus 41 anos, possui uma trajetória vitoriosa no MMA e é considerado um dos principais lutadores da história das divisões peso-galo e pena do UFC.

Confira a entrevista na íntegra:

– Preparação no Brasil visando a próxima luta

Estou fazendo meu camp no Brasil. Costumo fazer minhas preparações na Califórnia, mas por conta de visto e tudo mais, decidi fazer no Brasil. Faço parte da Team Alpha Male e estarei representando a equipe nessa luta. O camp está dando muito certo, consegui trazer um atleta lá da Califórnia, que veio para fortalecer minha preparação. Estou estudando muitas coisas do meu adversário, já vi que é um cara bastante explosivo, bate com muita vontade e trabalha bastante as quedas. É um lutador perigoso, vou precisar estar com a atenção redobrada para não cometer erros.

– Derrota em última luta após camp com limitações por conta da pandemia

Todo mundo viveu uma situação muito parecida, então não tem muita desculpa. Em relação ao Brasil, considero que passamos pelo período de lockdown, de fechar as academias, um pouco depois dos outros países. Tive que mudar algumas coisas, eu não treinei em academia, tive que praticamente montar uma academia na garagem da minha casa e não contei com todos os profissionais que eu costumo contar. Mas fico de consciência limpa, porque perdi, mas aprendi muito e dei o meu melhor com o que tinha. Treinei muito, dei meu máximo. Não tinha octógono, então treinei com grade de alambrado, não tem tempo ruim. A vitória não veio, mas virá nas próximas lutas. Tudo foi válido para a minha experiência.

– Análise do adversário da próxima luta

Eu vejo que ele tem alguns nocautes no cartel, mas vence mais por pontos, leva para a decisão. Vejo que ele desgasta bastante no início, é um cara bem explosivo, e vai diminuindo o ritmo. Sei que vou ter que controlar a distância, também sei que ele gosta de entrar pra briga de início para depois intercalar com quedas, tentando controlar a luta depois de abrir vantagem. Não posso aceitar a malandragem dele, vou precisar ser mais malandro que ele (risos), porque deu para notar que ele faz um jogo psicológico durante a luta, é um cara que anda em linha, vai pra cima, justamente para confundir e derrubar. Tenho que me defender e não permitir que ele faça esse jogo. Estou me preparando muito bem para estar pronto para lutar em todas as áreas possíveis.

– Período na Team Alpha Male e evolução com treinos na equipe

Pude aperfeiçoar, principalmente, o Wrestling, e também a mentalidade. Os outros países possuem mais investimento, estrutura para desenvolver um atleta. Eu pude pegar um pouco do que eles fazem, mas nós brasileiros que começamos com isso, o MMA é nosso, no entanto, a gente precisa estar sempre se preparando, não podemos ser vaidosos ao ponto de achar que somos os melhores e que não precisamos buscar algo diferente. No momento, eles estão na frente em relação aos treinamentos e possuem uma mente mais aberta. Pude pegar esses aprendizados e trouxe para a minha carreira e minha vida como um todo.

– Contato com Urijah Faber e aprendizados

O Faber é um cara extremamente inteligente. Óbvio que aprendo muito sobre técnica, mas acho que a mentalidade e experiência são os mais importantes para mim. É um cara que está sempre disposto a compartilhar as experiências dele e também dá muitos conselhos sobre negócios, investimentos. Também me aproximei do Cody Garbrandt, do Chad Mendes e de outros atletas, é uma experiência muito positiva estar lá, agregou muito para mim.

– Planos de ser mais ativo e busca por sequência de vitórias

Eu planejo ser mais ativo em 2021, mas isso não depende só de mim. Sempre estou pedindo para lutar (risos). Vou buscar com mais vontade ficar mais ativo, estar cada vez mais preparado para quando o desafio vier, e pretendo somar mais vitórias para poder obter uma sequência positiva dentro da minha categoria.