M

Meninos realizaram o sonho de jogar no Mineirão em trabalho que visa tirá-los do contato com a criminalidade-Peito Aberto/Divulgação

Valinor Conteúdo
12/02/2019
17:49
Belo Horizonte

A emoção era contagiante ao ver cada um dos 150 jovens que entravam no principal estádio de futebol de Minas Gerais na manhã desta segunda-feira, 11.02. Sorrisos, olhares boquiabertos, pulos e muitas fotos antes mesmo de a bola rolar marcaram o pré-jogo das seis equipes que disputaram as partidas de encerramento da 9ª Olimpíada do Fica Vivo! – uma iniciativa do programa de prevenção à criminalidade desenvolvido pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

O Mineirão, que já foi palco de disputas até da Copa do Mundo, abriu as portas para jovens de diversas comunidades de Belo Horizonte e da Região Metropolitana na decisão pelo título de campeão de futebol de campo masculino de cada categoria: sub-24, sub-18 e sub-15.

Kaique Monteiro, de 13 anos, fez parte da equipe campeã na categoria sub-15, representando o Centro de Prevenção à Criminalidade (CPC) Jardim Leblon. Para ele, mais do que ganhar a competição, a emoção de pisar no mesmo gramado que grandes ídolos foi o que marcou.

-A gente sonha em ser jogador de futebol, mas entrar em campo aqui no Mineirão é uma emoção que nem consigo explicar, disse Kaique, emocionado após conquistar também o título de artilheiro da competição.


Na beirada do campo incentivando seus jogadores durante todo o jogo, o oficineiro Delomes, treinador da equipe campeã sub-15, afirmou que levar a final dos jogos para um lugar tão especial para os jovens é um grande incentivo para cada um deles. “Queremos incentivá-los a permanecerem nessa caminhada de uma cultura de paz, livre da violência, baseada na saúde e no que o esporte pode fazer pela juventude. Tenho certeza de que essa experiência de hoje jamais sairá da memoria desses meninos”, destacou.

Em sua 9ª edição, a Olimpíada do Fica Vivo! mobilizou mais de 3 mil jovens durante as disputas. Foram pouco mais de 30 dias de competições entre meninos e meninas de diversas comunidades nas modalidades taekwondo, skate, basquetebol, voleibol, handebol, futsal e futebol de areia. A iniciativa é um dos principais projetos do programa de redução e controle de homicídios entre os jovens do Estado.

A subsecretária de Prevenção à Criminalidade da Sesp, Andreza Gomes, avaliou como muito positivo o saldo da competição. “Foram mais de 30 dias de disputas com muita dedicação, alegria e disciplina. Proporcionar essa circulação pacífica a eles e ver que por meio do esporte esses jovens estão fazendo novas e boas escolhas é muito gratificante”, ressaltou.


Para Samuel Lloyd, diretor do Mineirão, foi bonito ver a alegria no olhar de cada um que jogou no estádio. Segundo o diretor, a equipe do Mineirão espera que esta data seja um marco na vida desses jovens.

-O Mineirão é um local de conquistas, de histórias de superação, viradas históricas. É um palco de grandes jogos e decisões. E hoje recebemos mais uma grande final, que foi da Olimpíada Fica Vivo!. A parceria com a Secretaria de Segurança Pública é frequente e muito importante, porque reforça nosso papel e responsabilidade na promoção da inclusão social- afirmou.



Fica Vivo e Olimpíadas

Para além das competições, a Olimpíada do Fica Vivo! promove o diálogo entre os adolescentes das comunidades, em espaços diferentes dos que eles habitualmente frequentam.

- Esse é um dos projetos mais importantes que o Fica Vivo! realiza. A atividade envolve a circulação para fora dos territórios deles e diversos outros elementos fundamentais para a política de prevenção à criminalidade- pontuou Andreza Gomes.

O programa Fica Vivo tem foco na prevenção e na redução de homicídios de jovens e adolescentes. Ele atua em áreas com registros de índices elevados de criminalidade violenta. São mais de 10 mil jovens assistidos em todo o Estado e cerca de 4.000 atividades por mês, dentre elas oficinas de esporte, capacitação profissional, debates e atividades que permitem desenvolver ações para um futuro melhor para os jovens. Nas áreas em que atua, o Fica Vivo! alcança uma média de 30% de redução de mortes entre jovens da faixa etária de 12 a 24 anos.