Neymar

Neymar marcou três gols, sendo dois golaços de falta (Foto: Reprodução)

Igor Galletti*
03/10/2018
15:46
Paris (FRA)

Foi uma rodada especial para Neymar. O brasileiro foi a estrela da primeira vitória do PSG na atual edição da Liga dos Campeões. Com três gols, dribles e bela movimentação, o atacante foi o destaque da goleada, por 6 a 1, sobre o Estrela Vermelha. Cavani, Mbappé e Di Maria completaram para o PSG, enquanto Marin marcou o gol de honra do clube sérvio.

Além da vitória de sua equipe, Neymar atingiu nesta quarta-feira uma marca expressiva: a de maior artilheiro brasileiro na história da Liga dos Campeões. Agora com 30 gols, ele divide o posto com Kaká.

Panorama
O PSG não venceu na primeira rodada da Liga dos Campeões e Neymar foi muito criticado pela imprensa francesa após a partida. A competição é o principal objetivo da equipe francesa na temporada e o confronto contra o Estrela Vermelha, em casa, é, teoricamente, o jogo mais fácil do grupo.

PSG mostra as armas
Jogando em casa, o PSG tomou as rédeas da partida e ditou o ritmo de jogo. Mbappé teve a primeira chance, após bom passe de Neymar. O brasileiro já chamava atenção por sua movimentação e por chamar a responsabilidade da criação. Centralizado, Neymar driblava e procurava espaço, enquanto o Estrela Vermelha, na retranca, povoava justamente o setor do brasileiro.

Neymar, golaço de falta
O clube parisiense dominava o jogo, na velocidade de Mbappé, posicionamento de Cavani dentro da área e nos dribles de Neymar. Di Maria também participava bem, jogando pelas pontas. O brasileiro, porém, já dava sinais de que seria o destaque da partida. Com a categoria que lhe é característica, Neymar abriu o placar em uma linda cobrança de falta.

Baixe o aplicativo LANCE! Premium League e divirta-se: https://www.lance.com.br/resources/premium-league

Segundo gol do brasileiro
O gol deu ainda mais ânimo para o estrelado elenco do PSG. O Estrela Vermelha, inerte, não conseguia conectar os contra-ataques e, com o gol sofrido, ficou ainda mais à mercê do clube francês. Não demorou muito para Neymar fazer o seu segundo gol. Vindo de trás, o brasileiro tem mais opções de tabela, principalmente com Mbappé. Neymar pegou a bola no meio, conduziu até a entrada da área e abriu para Mbappé. O francês achou um passe perfeito entre três jogadores do time adversário e Neymar completou para o gol.

Cavani deixa o dele
Era inevitável que o PSG continuasse fazendo mais gols. Neymar já tinha feito dois, Cavani e Mbappé nenhum. O uruguaio também deixou o dele. No melhor estilo Cavani, o atacante recebeu dentro da área, limpou a jogada, cortou o zagueiro e bateu para o gol. A bola ainda desviou no zagueiro e enganou o goleiro Borjan.

Virou passeio
O Estrela Vermelha não conseguia responder e se posicionar em campo. As individualidades do PSG sobressaiam e, juntas, faziam belo jogo coletivo. O lateral Meunier encontrou Di Maria, dentro da área, com um belíssimo passe de trivela, nas costas da zaga do clube sérvio. O atacante argentino, com um leve toque de muito estilo, marcou o quarto gol do PSG.

O quinto gol
No segundo tempo, o PSG continuou criando chances e parou nas mãos de Borjan. O goleiro fez três defesas importantes, enquanto o clube francês fazia uma verdadeira blitz. Neymar, porém, continuava brilhando. O brasileiro recebeu na entrada da área, driblou como quis o marcador e deu um lindo passe, de cobertura, para Bernat, que tocou para Mbappé marcar o seu primeiro gol no jogo.

Gol de honra
O PSG era completamente superior. O Estrela Vermelha, entretanto, conseguiu encontrar o seu gol de honra. O holandês Ebecilio tinha acabado de entrar na partida e conseguiu encontrar Marin. O alemão bateu forte, na saída do goleiro Areola.

Chave de ouro
​Neymar fechou a sua atuação com chave de ouro. Depois de já marcar dois gols, o brasileiro marcou mais um gol de falta, dessa vez mais longe e com ainda mais categoria. O jogador foi substituído logo depois e foi ovacionado pela torcida. Uma ótima maneira de encerrar sua grande atuação e garantir a primeira vitória na Liga dos Campeões.

*sob a supervisão de Bernardo Cruz