O Mineirão e o COL cederam entradas para mais de 1 mil pessoas verem de perto uma partida internacional de futebol. Entre os contemplados, havia refugiados venezuelanos (foto)

O Mineirão e o COL cederam entradas para mais de 1 mil pessoas verem de perto uma partida internacional de futebol. Entre os contemplados, havia refugiados venezuelanos (foto)- (Divulgaçao/Mineirão)

Valinor Conteúdo
23/06/2019
06:10
Belo Horizonte

O duelo entre Bolívia e Venezuela, vencido pela equipe “vinho tinto” por a 3 a 1, na tarde de sábado, 22 de junho, no Mineirão proporcionou duas ações interessantes com viés social, o que trouxe mais torcedores do que o previsto, enriquecendo o jogo, que teve bons momentos para os espectadores. Havia mais de 11 mil presentes ante um público pagante de pouco mais de 4 mil pessoas, gerando renda de mais de 631 mil reais.

A Minas Arena, administradora do estádio convidou 20 venezuelanos que foram acolhidos em Belo Horizonte pelo movimento Acolhe Minas para assistirem a partida. O grupo de refugiados venezuelano chegou à capital mineira há cerca de 15 dias e busca melhores condições de vida devido à crise social, política e econômica que assola o país vizinho.

O outro trabalho contemplado com a ida ao Gigante da Pampulha ver um jogo internacional foi proporcionado pelo Comitê Organizador Local da Copa América(COL), que sabendo da baixa demanda pelo jogo entre bolivianos e venezuelanos, ofereceu 1100 ingressos para crianças e adolescentes ligados ao Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD).

Além dos jovens do programa, outros 30 meninos das categorias de base do Brumadinho Futebol Clube, de Brumadinho, local do rompimento da barragem Córrego do Feijão, da Vale, também tiveram a chance ver o jogo. Idosos atendidos por outros programas sociais da capital mineira puderam conferir o evento, inclusive os de pouca mobilidade. Foi uma pequena festa e um momento que o futebol pode proporcionar.

O jogo em si ganhou um aspecto maior do que a previsão inicial justamente por dar acesso àqueles que ainda veem no esporte um mecanismo forte de mudança social e não apenas como uma relação comercial de um produto com o seu cliente. O Bolívia e Venezuela teve vitória venezuelana, mas o golaço foi do futebol.